Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 14: O caso Wagner

Página 98
O caso Wagner

Um problema musical

1

Para poder prestar justiça a este escrito, é necessário ter sofrido da fatalidade da música como de uma ferida aberta.

De que sofro, quando sofro da fatalidade da música? Sofro de a música ter perdido o seu carácter afirmativo e transfigurador do mundo, sofro de ela ser música de decadência, de já não ser a flauta de Diónisos... Entretanto, se se aceitar que cada homem possa admitir a causa da música como sua própria, como a história do seu próprio sofrimento, verificar-se-á que o escrito é rico de informação nesse sentido e que é, em grau extremo, benévolo. Manter neste caso a alegria e rir com bonomia até de si próprio - «ridendo dicere severum» , quando o «verum dicere» justificaria todas as durezas - é, na verdade, bem próprio do homem. E quem poderá duvidar de que eu, velho artilheiro, seja capaz de mobilizar contra Wagner a minha artilharia pesada? Tudo quanto eu possuía neste ponto de mais decisivo, o viera adiando - amava Wagner... E, ao fim e ao cabo, dado todo o sentido da minha obra, e o caminho que esta seguira, qualquer adivinharia quem era o «desconhecido» contra o qual se dirigia o meu ataque. Ora eu tenho de desmascarar outros desconhecidos antes do Cagliostro da música.

E, a falar verdade tenho ainda preliminarmente de dirigir um ataque contra a nação alemã, a qual, na vida do espírito, se vai tornando cada vez mais débil e mais pusilânime de instintos, continuando com apetite nada vulgar a alimentar-se de coisas contraditórias, «a fé» tanto como a ciência a «caridade cristã» tanto como o anti-semitismo, a «vontade de poderio» («imperial») tanto como o evangelho dos humildes, sem experimentar por isso o mínimo sinal de indigestão.

<< Página Anterior

pág. 98 (Capítulo 14)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Ecce Homo
Páginas: 115
Página atual: 98

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
INTRODUÇAO 1
Porque sou tão sábio 5
Porque sou tão sagaz 20
Porque escrevo tão bons livros 41
A Origem da Tragédia 52
Considerações intempestivas 58
Humano, demasiado Humano 64
Aurora 71
O Alegre Saber 75
Assim falou Zaratustra 76
Para além do Bem e do Mal 91
Genealogia da moral 93
Crepúsculo dos ídolos 95
O caso Wagner 98
Por que sou uma fatalidade 106
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site