Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 15: Por que sou uma fatalidade

Página 106
Por que sou uma fatalidade

1

Conheço o meu destino. Dia vira em que apareça ligado ao meu nome memória de alguma coisa de formidável- de uma crise tal como jamais houve outra sobre a terra, do mais profundo choque de consciências, de um juízo proferido contra tudo quanto até hoje foi motivo de fé, de tudo quanto se exigiu, se santificou. Não sou homem, sou dinamite. Contudo, nada há em mim de um fundador de religião. Religiões são coisa do populacho, e eu tenho sempre de lavar as mãos depois de estar em contacto com religiosos... Nada quero com «crentes», suponho ser demasiado astuto para tal, nem sequer creio em mim próprio. Nunca falo às massas... Sinto um medo espantoso de que um dia me canonizem. E é fácil compreender por que dou a público este livro: ele deve evitar que se sirvam de mim como motivo de escândalo... Não, não quero que me tomem por santo, preferiria que me tomassem por arlequim... E talvez eu seja um arlequim... Apesar disso - não, não apesar disso, pois até hoje nada houve mais mentiroso do que um santo - apesar disso, a verdade fala pela minha boca. Mas a vinha verdade é aterradora, porque até hoje chamou-se verdade à mentira.

Transmutação de todos os valores, eis a fórmula para aquele acto decisivo de regresso da humanidade a si própria, que em mim se fez carne e génio. Quer o meu destino que eu seja o primeiro homem sincero, quer que me ponha em contradição com milhares de anos... Eu, primeiro entre todos, descobri a verdade, pelo facto de ser o primeiro a considerar a mentira como mentira e a senti-la como tal. O meu génio está no meu olfacto... Protesto como nunca se protestou, e sou no entanto o oposto de um espírito negador. Sou um alegre mensageiro, tal como jamais se viu, conheço tarefas tais, tão altas, que até agora nem sequer existiu a mínima noção delas.

<< Página Anterior

pág. 106 (Capítulo 15)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Ecce Homo
Páginas: 115
Página atual: 106

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
INTRODUÇAO 1
Porque sou tão sábio 5
Porque sou tão sagaz 20
Porque escrevo tão bons livros 41
A Origem da Tragédia 52
Considerações intempestivas 58
Humano, demasiado Humano 64
Aurora 71
O Alegre Saber 75
Assim falou Zaratustra 76
Para além do Bem e do Mal 91
Genealogia da moral 93
Crepúsculo dos ídolos 95
O caso Wagner 98
Por que sou uma fatalidade 106
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site