Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 4: Capítulo 4

Página 26

Quase um ano mais tarde, no mês de Outubro de 18..., Londres foi sobressaltada por um crime de uma crueldade singular, o qual teve ainda maior notoriedade devido à elevada posição social da vítima. Os pormenores eram escassos e aterradores. Uma criada que vivia sozinha numa casa não muito longe do rio, subira ao seu quarto para se deitar, por volta das onze horas. Embora, pela madrugada, um nevoeiro cerrado pairasse sobre a cidade, as primeiras horas da noite tinham passado sem nuvens, e a viela para a qual dava a janela da rapariga estava iluminada pelo brilho da lua cheia. Ao que parece, a jovem tinha dotes românticos, pois encontrava-se junto ao peitoril da janela, sentada sobre a arca que tinha, mergulhada em profundo devaneio. Nunca (dizia ela, chorando copiosamente, ao narrar aquela experiência), nunca antes sentira uma tão grande paz de espírito nem imaginara o mundo como um lugar tão aprazível. Estando assim sentada, apercebeu-se de um belo cavalheiro de idade avançada e cabelos grisalhos, que se aproximava ao longo da calçada; e, avançando ao seu encontro, viu um outro cavalheiro, de baixa estatura, a quem, de início, prestou menos atenção. Quando chegaram à distância da fala (o que aconteceu sob o olhar da criada), o homem mais idoso saudou o outro com uma vénia e abordou-o com bons modos. Não lhe parecera que o assunto fosse de grande importância; na verdade, pela maneira como o cavalheiro apontava, dava a ideia de que estava apenas a perguntar-lhe o caminho; mas a lua iluminava-lhe o rosto enquanto falava, e a rapariga estava encantada ao contemplá-lo; dele parecia emanar uma inocente e serena bondade nas intenções, embora deixasse igualmente transparecer uma certa altivez, como alguém com boas razões para estar contente consigo próprio.

<< Página Anterior

pág. 26 (Capítulo 4)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro O Estranho Caso de Dr. Jekyll e Mr. Hyde
Páginas: 102
Página atual: 26

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 11
Capítulo 3 23
Capítulo 4 26
Capítulo 5 33
Capítulo 6 40
Capítulo 7 46
Capítulo 8 48
Capítulo 9 65
Capítulo 10 76
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site