Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 2: Capítulo 2

Página 30
II

É impossível contar a alegria que senti ao ver-me livre da situação miserável em que me encontrava; imediatamente ofereci ao comandante do buque tudo quanto tinha, como preço da minha salvação. Mas ele, generosamente, não quis aceitar nada, e respondeu-me que todos os meus pertences me seriam devolvidos no Brasil.

- Ao salvá-lo - disse-me -, nada fiz que não quisesse que também me fizessem a mim, e não sei se algum dia me verei reduzido a tão miserável posição. Por outro lado, se depois de conduzi-lo a um país tão afastado do seu como é o caso do Brasil, me apoderasse de tudo quanto possui, o senhor morreria de fome, e isso seria tirar-lhe de novo a vida depois de lha ter dado.

Não, não, senhor inglês - continuou -, quero transportá-lo para o dito país por pura humanidade, e o que me ofereceu servirá para pagar a sua manutenção e assegurar o seu regresso.

Aquele homem não desmentiu a sua generosidade; cumpriu todas as promessas; proibiu os seus marinheiros de tocarem no que me pertencesse; guardou tudo como se fosse um depósito e entregou-me um inventário exacto, no qual se incluía tudo, até os meus três tonéis, para que eu pudesse reclamar à minha chegada ao Brasil a totalidade dos meus bens.

Quanto à chalupa, como era muito boa, propôs-me que lha vendesse para serviço do seu buque e perguntou-me quanto queria por ela. Respondi-lhe que havia sido tão generoso para comigo que não desejava atribuir-lhe um preço, deixando-o ao seu critério. Propôs entregar-me oitenta duros por meio de uma letra pagável no Brasil, acrescentando que, se alguém desse mais à minha chegada, teria em conta a diferença. Ofereceu-se para me comprar o jovem Xuri por outros sessenta duros, mas vacilei, não porque temesse deixá-lo ao comandante, mas porque não podia resolver-me a vender a liberdade daquela pobre criança que me tinha ajudado com tanta fidelidade a recuperar a minha.

<< Página Anterior

pág. 30 (Capítulo 2)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Robinson Crusoe
Páginas: 241
Página atual: 30

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 30
Capítulo 3 41
Capítulo 4 53
Capítulo 5 63
Capítulo 6 78
Capítulo 7 91
Capítulo 8 112
Capítulo 9 133
Capítulo 10 167
Capítulo 11 197
Capítulo 12 236
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site