Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 6: Capítulo 6

Página 78
VI

18 de Junho. - Esteve todo o dia a chover, o que me impediu de sair. A água que caía era tão fria que me provocou uma impressão muito viva, pois ainda não tinha experimentado o frio naquela latitude.

19 de Junho. - Senti-me bastante mal, começando a tiritar como se fizesse muito frio.

20 de Junho. - Não pude dormir toda a noite e tive grandes dores de cabeça acompanhadas de um pouco de temperatura.

21 de Junho. - Senti-me muito mal, e aterrorizei-me imenso ao ver-me neste estado sem ter nenhum recurso nem socorro. Dirigi-me a Deus pela primeira vez desde o temporal de Hull, sem saber o que fazia nem porquê, tão confusos eram os meus pensamentos.

22 de Junho. - Senti-me um pouco aliviado, mas temendo sempre uma enfermidade grave.

23 de Junho. - Caí de novo doente, sendo acometido por calafrios, tremuras e uma violenta dor de cabeça.

24 de Junho. - Senti-me melhor.

25 de Junho. - Tive uma temperatura elevada; o acesso durou sete horas, com alternâncias de frio e calor, acabando com um suor copioso que me debilitou extraordinariamente.

26 de Junho. - Encontrei-me melhor e, como não tinha víveres, saí com a escopeta. Embora muito débil, matei uma lama, que arrastei com imensa dificuldade até à habitação; assei alguns pedaços e comi-os; teria desejado fervê-los e fazer algum pão, mas isso não foi possível porque não tinha nenhuma panela.

27 de Junho. - A febre tornou-se tão violenta que me vi obrigado a ficar na cama todo o dia, sem comer nem beber. Embora morresse de sede, estava tão fraco que nem forças tinha para me levantar e ir buscar água. Dirigi-me novamente a Deus mas, como estava a delirar - e quando o não estava era tão ignorante que não sabia que dizer - apenas pude exclamar:

- Senhor, voltai o olhar para mim; tende piedade de mim!

Suponho que continuei estas exclamações durante duas ou três horas, até que o acesso de febre me passou e adormeci.

<< Página Anterior

pág. 78 (Capítulo 6)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Robinson Crusoe
Páginas: 241
Página atual: 78

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 30
Capítulo 3 41
Capítulo 4 53
Capítulo 5 63
Capítulo 6 78
Capítulo 7 91
Capítulo 8 112
Capítulo 9 133
Capítulo 10 167
Capítulo 11 197
Capítulo 12 236
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site