Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 5: Capítulo 5

Página 63
V

Uma vez vencidas todas as debilidades e instalado na minha casa, construídas (o melhor que pude) uma mesa e uma cadeira, comecei a escrever o diário, do qual apresentarei uma cópia (mesmo que seja uma repetição do já referido), prosseguindo-o sempre enquanto me durar a tinta.

O DIÁRIO

30 de Setembro de 1659. - Eu, pobre Robinson Crusoe, depois de ter naufragado durante uma horrível tempestade, sou lançado para a costa desta desolada ilha, à qual dou o nome de ilha do Desespero. Toda a tripulação do buque pereceu e eu próprio me encontrei na praia quase moribundo.

Passei o resto do dia a lastimar-me da triste situação em que me via, falho em alimentos, em guarida, em fatos, em armas e sem esperança de socorro de qualquer espécie. Aguardava de um momento para o outro vir a ser presa das feras, vítima dos selvagens, ou morrer de fome; numa palavra, apenas via à minha frente a imagem da morte. Ao aproximar-se a noite, subi para uma árvore, com medo, dos animais selvagens, dormindo aprazivelmente, apesar de ter chovido até ao amanhecer.

1 de Outubro. - De manhã fiquei extremamente surpreendido quando reconheci o buque, que arrastado pela maré, tinha sido, lançado para muito mais perto da margem. Isto serviu-me de grande consolação, porque vendo que não fora destroçado e que se conservava direito sobre a quilha, pensei que se a vento amainasse poderia ir visitá-la, encontrar de comer e recolher os objectos que me pudessem ser mais úteis. Por outro lado, aquele espectáculo renovava a dor que me causou a perda dos meus camaradas. Se tivéssemos ficado a bordo, dizia para comigo" teríamos podido, salvar o buque ou, pelo menos, as nossas vidas, e então construir com as destroços uma embarcação que nos transportasse para qualquer outro lugar. Passei uma boa parte deste dia em penosas reflexões; finalmente, vendo que o buque ficara quase em seco, dirigi-me para ele a nado. A chuva continuou durante todo o dia, mas o vento tinha-se acalmado.

<< Página Anterior

pág. 63 (Capítulo 5)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Robinson Crusoe
Páginas: 241
Página atual: 63

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 30
Capítulo 3 41
Capítulo 4 53
Capítulo 5 63
Capítulo 6 78
Capítulo 7 91
Capítulo 8 112
Capítulo 9 133
Capítulo 10 167
Capítulo 11 197
Capítulo 12 236
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site