Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 8: Capítulo 8

Página 112
VIII

Ocupado nestas tarefas, assim se concluiu o quarto ano da minha estada na ilha, e celebrei o aniversário com o mesmo fervor e a mesma alegria que os anteriores, já que, graças a um estudo constante e grave da palavra de Deus e com o auxílio da sua divina graça, tinha modificado as noções antes adquiridas. O mundo parecia-me agora uma terra longínqua, da qual nada tinha a esperar e com a qual, numa palavra, haviam terminado para sempre as minhas relações. Julgava, mesmo assim, que depois desta vida talvez visse o mundo como um local em que vivera, mas de que tinha saído, e que poderia dizer-lhe como Abraão ao rico avarento:

- Entre os dois medeia um abismo.

Encontrava-me na minha ilha, longe dos vícios do mundo e ao abrigo de todas as suas tentações. Nada invejava porque dispunha de tudo quanto podia desejar: era o senhor daquele território; só tinha de me chamar rei ou imperador daqueles limites; carecia de rival e de competidor que me disputasse a soberania ou a dividisse comigo; podia colher grão bastante para carregar muitos navios, mas nesse caso não podia fazer uso dele; assim, não semeava mais do que necessitava. Tinha tartarugas em abundância mas só as apanhava de vez em quando, consoante as necessidades. Também possuía madeira suficiente para construir uma frota; vinhas que chegavam para carregá-la de vinhos e cachos secos; porém, as coisas de que podia fazer uso eram apenas de alguma utilidade para mim; uma vez satisfeito, que me importava o que sobrava? Se caçasse mais do que podia comer, teria de dar ao cão ou atirar fora; se semeasse mais grão do que podia consumir, seria deitá-lo a perder. As árvores que cortara apodreciam sobre a terra, pois como usá-las de outro modo que não fosse fazer lume para preparar a comida? Numa palavra, a Natureza e a experiência ensinam-nos, depois de maduras reflexões, que as melhores coisas deste mundo são boas enquanto bastam para nosso uso; mas passando daí, já não nos servem para nada.

<< Página Anterior

pág. 112 (Capítulo 8)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Robinson Crusoe
Páginas: 241
Página atual: 112

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 30
Capítulo 3 41
Capítulo 4 53
Capítulo 5 63
Capítulo 6 78
Capítulo 7 91
Capítulo 8 112
Capítulo 9 133
Capítulo 10 167
Capítulo 11 197
Capítulo 12 236
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site