Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 9: Capítulo 9

Página 133
IX

Cheguei, por fim, a outra cena da minha vida. Certa vez, perto do meio-dia, quando ia visitar a canoa surpreendi-me de um modo estranho ao descobrir na areia o vestígio recente de um pé descalço. Parei de repente, como fendo por um raio ou como se tivesse visto alguma aparição. Pus-me à escuta, dirigi o olhar em meu redor, mas nada ouvi, nem vi. Subi a uma pequena colina para descobrir mais terreno; desci depois e percorri toda a costa, mas não divisei nenhum outro vestígio humano, para além do que já apontei. Voltei ainda a examinar as marcas para ver se haveria mais e assegurar-me de que não era uma ilusão; mas não me tinha enganado: era exactamente a marca de um pé humano, os dedos, o calcanhar, enfim, todos os sinais de um pé. Como teria chegado àquele sítio? Ignorava-o e nem sequer o podia imaginar. Após inúmeros e agitados pensamentos, regressei à fortificação como um homem perdido, não assentando os pés, como vulgarmente se diz, na terra que pisava. Aterrorizado pelo medo, olhava a cada passo para trás de mim, e tomava por homens as árvores, os arbustos e, finalmente, tudo o que se encontrava a alguma distância. Não é possível descrever as diversas formas que uma imaginação alterada empresta a todos os objectos, nem quantas ideias loucas e pensamentos caprichosos se me• apresentaram à medida que fugia daquela maneira!

Quando cheguei à fortaleza (chamei-a sempre assim devido ao que então aconteceu), penetrei nela como um homem perseguido. Se entrei pela escada, como primeiro tentei, ou pela abertura da rocha, a que dava o nome de porta, é coisa de que não posso recordar-me, pois já nem me lembrava no dia seguinte de manhã; jamais lebre ou raposa se atirou para o seu leito ou toca com mais espanto do que eu sentia quando me encaminhava para meu retiro.

Durante toda a noite não pude conciliar o sono. À medida que o terror me ia abandonando, maior era a minha apreensão, ao contrário do que habitualmente acontece aos animais com medo.

<< Página Anterior

pág. 133 (Capítulo 9)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Robinson Crusoe
Páginas: 241
Página atual: 133

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 30
Capítulo 3 41
Capítulo 4 53
Capítulo 5 63
Capítulo 6 78
Capítulo 7 91
Capítulo 8 112
Capítulo 9 133
Capítulo 10 167
Capítulo 11 197
Capítulo 12 236
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site