Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 6: O Enigma de Reigate

Página 122
O Enigma de Reigate

Foi um pouco antes de o meu amigo Sherlock Holmes se ter restabelecido de uma enfermidade causada pelos enormes esforços despendidos na Primavera de 1887. Constituiria assunto apropriado a esta série de esboços a questão da Netherland-Sumatra Company e dos colossais projectos do barão de Maupertuis, mas está tão recente na mente do público e tão intimamente relacionada com a política e as finanças que é melhor deixá-la de lado. No entanto, ainda que de um modo muito indirecto, conduz a um problema complexo e singular que deu ao meu amigo uma oportunidade de demonstrar o valor de uma arma nova entre as muitas com que sustentou as batalhas de toda a sua vida contra o crime.

Recorrendo às minhas notas, verifico que foi no dia 14 de Abril que recebi um telegrama de Lião, em França, informando-me de que Holmes se encontrava doente, na cama, no Hotel Dulong. Vinte e quatro horas depois estava eu no quarto do doente. Fiquei logo aliviado ao verificar que não havia nada de grave nos sintomas que apresentava. Porém, a sua constituição de ferro tinha cedido sob o esforço da investigação que se arrastara durante dois meses. Durante esse período nunca trabalhara menos de quinze horas por dia e mais de uma vez, segundo me assegurou, ficou preso à sua tarefa por cinco dias de assentada. O resultado triunfante dos seus labores não pôde salvá-lo da reacção a tão terrível esforço. E quando toda a Europa repetia o seu nome e o seu quarto estava literalmente atulhado de telegramas de congratulações, encontrei-o dominado pelo mais terrível abatimento. Até o reconhecimento de que havia triunfado onde a polícia de três países fracassara, e de que tinha largamente excedido em manobras o mais refinado trapaceiro da Europa, não fora suficiente para o fazer reagir contra aquela prostração nervosa.

<< Página Anterior

pág. 122 (Capítulo 6)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro As memórias de Sherlock Holmes
Páginas: 274
Página atual: 122

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
O Estrela de Prata 1
A Face Amarela 33
O Escriturário da Corretagem 54
A Tragédia do Glória Scott 75
O Ritual de Musgrave 99
O Enigma de Reigate 122
O Corcunda 145
O Paciente Internado 167
O Intérprete Grego 190
O Tratado Naval 212
O Problema Final 252
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site