Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 7: O Corcunda

Página 145
O Corcunda

Numa noite de Verão, alguns meses depois do meu casamento, eu estava sentado perto da lareira a fumar uma última cachimbada e cabeceando sobre um livro, porque tinha tido um dia de trabalho exaustivo. Minha mulher já havia subido, e o som da fechadura da porta do hall, um pouco antes, dissera-me que as criadas também já se haviam retirado. Tinha-me levantado da cadeira e sacudia a cinza do cachimbo, quando de repente ouvi o toque da campainha.

Olhei para o relógio. Era um quarto para a meia-noite. Não podia ser uma visita àquelas horas. Era, evidentemente, um doente e possivelmente eu iria passar a noite toda em pé. Dirigi-me ao hall, mal-humorado, e abri a porta. Para meu espanto, era Sherlock Holmes quem estava no degrau da porta.

- Ah! Watson - disse ele -, receava que fosse tarde de mais para o apanhar.

- Meu caro amigo, entre, por favor.

- Parece surpreendido, e não admira! E aliviado, também, calculo! Hum! Continua a fumar a mistura Arcádia dos seus dias de solteiro. Não há que enganar, com essa cinza leve que tem no seu casaco. Evidentemente, Watson, que está habituado a usar uniforme, mas nunca passará por um civil de puro-sangue enquanto conservar o hábito de meter o lenço na manga. Poderia alojar-me esta noite?

- Com prazer.

- Disse-me que tinha quarto de solteiro para um. E vejo que de momento não tem nenhuma visita importante. O bengaleiro prova-o.

- Dar-me-á muito prazer se ficar.

- Muito obrigado. Então alojar-me-ei em qualquer parte. Vejo com pena que tem um operário em casa. Está aqui um cheiro do demónio. Não é o esgoto, espero.

- Não, é o gás.

- Ah!, ele deixou duas pequenas marcas das suas botas no linóleo, precisamente onde bate a luz.

<< Página Anterior

pág. 145 (Capítulo 7)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro As memórias de Sherlock Holmes
Páginas: 274
Página atual: 145

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
O Estrela de Prata 1
A Face Amarela 33
O Escriturário da Corretagem 54
A Tragédia do Glória Scott 75
O Ritual de Musgrave 99
O Enigma de Reigate 122
O Corcunda 145
O Paciente Internado 167
O Intérprete Grego 190
O Tratado Naval 212
O Problema Final 252
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site