Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 9: O Intérprete Grego

Página 190
O Intérprete Grego

Durante a minha longa e íntima convivência com Sherlock Holmes, nunca o ouvi referir-se aos seus parentes ou à sua vida passada. Esta sua atitude aumentou o efeito sobre-humano que a sua personalidade exercia sobre mim. Fui, por isso, levado a considerá-lo como um fenómeno isolado, um cérebro sem coração, tão deficiente em simpatia humana como eficiente em inteligência. A sua aversão a mulheres e a sua falta de inclinação para formar novas amizades eram atributos típicos de um carácter nada emotivo. Porém, mais típico ainda era a completa supressão de toda a referência à sua própria família. Cheguei a acreditar que era órfão e sem quaisquer parentes vivos. Entretanto, um dia, para grande surpresa minha, começou a falar a respeito do irmão.

Foi depois do chá, numa tarde de Verão. A conversa tinha derivado, de maneira um tanto incoerente, dos clubes de golfe às causas da obliquidade da elíptica, e chegou afinal à questão do atavismo e das aptidões hereditárias. O assunto em discussão era saber até que ponto uma característica especial de um indivíduo se devia aos seus antepassados ou, por outro lado, a um treino iniciado muito cedo.

- No seu caso - disse eu -, a julgar pelo que me tem contado, parece óbvio que a sua capacidade de observação e a sua facilidade peculiar para a dedução se devem ao seu próprio treino sistemático.

- Até certo ponto - respondeu, pensativamente. - Os meus antepassados eram cavalheiros da província e parecem ter levado a vida inerente à sua classe. Mas, apesar disso, esta minha inclinação está-me nas veias e pode ter vindo da minha avó que era irmã de Vernet, o artista francês. No sangue, a arte está sujeita a tomar as formas mais estranhas.

<< Página Anterior

pág. 190 (Capítulo 9)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro As memórias de Sherlock Holmes
Páginas: 274
Página atual: 190

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
O Estrela de Prata 1
A Face Amarela 33
O Escriturário da Corretagem 54
A Tragédia do Glória Scott 75
O Ritual de Musgrave 99
O Enigma de Reigate 122
O Corcunda 145
O Paciente Internado 167
O Intérprete Grego 190
O Tratado Naval 212
O Problema Final 252
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site