Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 5: O Ritual de Musgrave

Página 99
O Ritual de Musgrave

Uma anomalia que muitas vezes me chocou no carácter do meu amigo Sherlock Holmes era que, muito embora os seus métodos de pensamento fossem os mais esmerados e lógicos da humanidade, e embora afectasse também certo pedantismo sóbrio no trajar, era, apesar disso, nos seus hábitos pessoais, um dos homens mais desleixados que já levaram companheiros de quarto ao desespero. Não que eu próprio seja convencional nesse aspecto. O trabalho movimentado no Afeganistão levou ao cúmulo a minha natural disposição para a boémia e tornou-me mais relaxado do que fica bem a um médico. Mas comigo há um limite, e quando encontro uma pessoa que guarda os charutos no balde de carvão, o tabaco nos chinelos persas, e a correspondência por responder espetada com um canivete bem no centro da prateleira da lareira, então começo a dar-me ares de virtuoso. Eu sempre afirmara que o tiro devia ser exclusivamente um passatempo praticado ao ar livre; quando Holmes, num dos seus estranhos estados de humor, se sentava numa poltrona, com o gatilho e cem cartuchos de Boxer, e começava a adornar a parede oposta com um patriótico V.R. feito a buracos de balas, eu sentia que nem a atmosfera nem a aparência da nossa sala melhorava com isso.

Os nossos alojamentos estavam sempre cheios de ingredientes químicos e de relíquias de crimes, que tinham de permanecer em lugares impróprios e desapareciam na manteigueira, ou até em sítios ainda menos desejáveis. Mas os seus papéis eram a minha grande cruz. Tinha o horror de destruir documentos, especialmente os que se relacionavam com os seus casos passados. E era só uma vez em cada um ou dois anos que mostrava energia para os rotular e arrumar.

<< Página Anterior

pág. 99 (Capítulo 5)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro As memórias de Sherlock Holmes
Páginas: 274
Página atual: 99

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
O Estrela de Prata 1
A Face Amarela 33
O Escriturário da Corretagem 54
A Tragédia do Glória Scott 75
O Ritual de Musgrave 99
O Enigma de Reigate 122
O Corcunda 145
O Paciente Internado 167
O Intérprete Grego 190
O Tratado Naval 212
O Problema Final 252
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site