Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 3: 3 - O Mistério de Lauriston Gardens

Página 21

3
O MISTÉRIO
DE LAURISTON GARDENS

Confesso que fiquei muito surpreendido com esta prova da natureza prática das teorias do meu companheiro. O meu respeito pelas suas faculdades de análise aumentou consideravelmente. Todavia, no meu espírito continuava a existir uma vaga suspeita de que tudo não passara de um episódio combinado previamente, planeado para me deslumbrar, embora não conseguisse perceber qual a razão por que me queria enganar. Quando olhei para ele, acabara de ler o bilhete, e os seus olhos tinham assumido uma expressão vaga, sem brilho, que revelava abstracção mental.

- Como diabo deduziu aquilo? - perguntei.

- Deduzi o quê? - disse ele, petulantemente.

- Que ele era sargento aposentado dos marines.

- Não tenho tempo para ninharias - respondeu com brusquidão. Depois com um sorriso. - Desculpe a minha grosseria. Interrompeu o fio do meu raciocínio, mas talvez ainda bem. Então não foi capaz de ver que aquele homem foi sargento da Marinha?

- Efectivamente, não.

- Era mais fácil sabê-lo do que explicar porque o sei. Se lhe pedissem para provar que dois mais dois são quatro, talvez achasse um pouco difícil e, no entanto, tem a certeza absoluta. Mesmo do outro lado da rua consegui ver uma grande âncora azul tatuada nas costas da mão do homem. Isto sugeria o mar. Ele tinha um porte de militar, todavia, e suíças de acordo com o regulamento. Agora temos a Marinha. Era um homem com uma certa presunção e um certo ar de comando. Deve ter observado a posição e o modo como agitava a bengala. Julgando também pelas aparências, um homem de meia-idade, sóbrio, respeitável; todos estes factos levaram-me a crer que tinha sido sargento.

- Espantoso! - exclamei.

- Lugar comum - disse Holmes, embora eu achasse pela expressão dele que estava satisfeito com a minha admiração. - Disse agora mesmo que não havia criminosos. Parece que estou errado... olhe isto! - Obrigou-me a debruçar sobre o bilhete que o paquete trouxera.

<< Página Anterior

pág. 21 (Capítulo 3)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Um Estudo em Escarlate
Páginas: 127
Página atual: 21

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Primeira Parte: 1 - O Sr. Sherlock Holmes 1
2 - A Ciência da Dedução 10
3 - O Mistério de Lauriston Gardens 21
4 - O que John Rance Tinha para Contar 32
5 - O Nosso Anúncio Traz um Visitante 39
6 - Tobias Gregson Mostra o que Sabe Fazer 46
7 - Luz na Escuridão 55
Segunda Parte: 1 - Na Imensa Planície de Alcali 65
2 - A Flor de Utá 76
3 - John Ferrier Fala com o Profeta 84
4 - Uma Fuga para Salvar a Própria Vida 90
5 - Os Anjos Vingadores 100
6 - Uma Continuação das Memórias do Dr. John Watson 110
7 - A Conclusão 122
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site