Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 2: 2 - A Ciência da Dedução

Página 10

2
A CIÊNCIA DA DEDUÇÃO

Encontrámo-nos no dia seguinte, como combináramos, e inspeccionámos os aposentos no n.º 221-B da Baker Street, de que faláramos no nosso encontro. Constavam de dois quartos confortáveis e de uma sala de estar grande e arejada, com mobílias pouco pesadas, iluminada por duas janelas largas. Os aposentos eram tão atraentes, e as condições pareciam tão razoáveis quando divididas pelos dois, que o negócio foi feito no local e tomámos posse imediatamente. Nessa mesma noite levei os meus haveres do hotel para lá, e na manhã seguinte, Sherlock Holmes acompanhou-me com várias caixas e malas. Durante um dia ou dois estivemos muito atarefados a desfazer as malas e a arranjar os nossos bens da melhor maneira. Feito isto, começámos pouco a pouco a assentar e a adaptar-nos ao novo ambiente.

Holmes não era de forma alguma um homem com quem fosse difícil viver. Era calmo, à sua maneira, e os seus hábitos eram normais. Era raro estar levantado depois das dez da noite, e tinha sempre tomado o pequeno-almoço e saído antes de eu me levantar de manhã. Às vezes passava o dia no laboratório, outras nas salas de dissecação, e, de vez em quando, dava longos passeios a pé, que pareciam levá-lo às zonas mais degradadas da cidade. Nada podia exceder a sua energia quando estava embrenhado no trabalho; mas, de quando em quando, apoderava-se dele uma depressão e ficava dias a fio deitado num sofá na sala de estar, quase sem dizer uma palavra e sem mexer um músculo, de manhã à noite. Nessas alturas notava uma expressão tão sonhadora e vaga no seu olhar, que chegaria a suspeitar que estava sob o efeito de algum narcótico, se não fosse a sobriedade e a moderação de toda a sua vida que não permitiam tal juízo.

À medida que as semanas passavam, o meu interesse nele e a minha curiosidade em relação aos seus objectivos na vida iam-se tornando mais intensos e frequentes. A sua própria aparência não podia deixar de chamar a atenção do observador menos perspicaz.

<< Página Anterior

pág. 10 (Capítulo 2)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Um Estudo em Escarlate
Páginas: 127
Página atual: 10

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Primeira Parte: 1 - O Sr. Sherlock Holmes 1
2 - A Ciência da Dedução 10
3 - O Mistério de Lauriston Gardens 21
4 - O que John Rance Tinha para Contar 32
5 - O Nosso Anúncio Traz um Visitante 39
6 - Tobias Gregson Mostra o que Sabe Fazer 46
7 - Luz na Escuridão 55
Segunda Parte: 1 - Na Imensa Planície de Alcali 65
2 - A Flor de Utá 76
3 - John Ferrier Fala com o Profeta 84
4 - Uma Fuga para Salvar a Própria Vida 90
5 - Os Anjos Vingadores 100
6 - Uma Continuação das Memórias do Dr. John Watson 110
7 - A Conclusão 122
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site