Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 108

Capítulo 28: CAPÍTULO XXVIII - O que aconteceu a Cândido, Cunegundes, Pangloss, Martin, etc.

Página 108
CAPÍTULO XXVIII - O que aconteceu a Cândido, Cunegundes, Pangloss, Martin, etc.

- Perdoai-me, mais uma vez - disse Cândido ao barão. Perdoai-me, reverendo padre, por vos haver trespassado com a minha espada.

- Não falemos mais nisso - disse o barão.

- Eu fui um pouco violento, confesso-o, mas, já que quereis saber por que estranho acaso me vistes nas galeras, dir-vos-ei que depois de ter sido curado pelo boticário do colégio da ferida que me fizestes fui atacado e aprisionado pelo partido espanhol. Meteram-me na prisão em Buenos Aires, no momento em que a minha irmã acabara de partir de lá. Pedi para voltar para Roma, para junto do nosso geral, e fui nomeado esmoler-mor do Sr. Embaixador de França em Constantinopla. Não havia oito dias que desempenhava tais funções, quando, uma tarde, encontrei um jovem icoglã, um homem muito perfeito. Fazia calor, ele quis tomar banho e eu aproveitei também a ocasião para me banhar. Não sabia que fosse um crime capital para um cristão ser encontrado nu com um muçulmano. Um cádi mandou aplicar-me cem bastonadas na sola dos pés e condenou-me às galés. Penso que não se podia ser mais injusto para comigo. Mas sempre queria que me dissessem porque é que a minha irmã é criada de cozinha de um soberano da Transilvânia refugiado entre os Turcos.

- E vós, meu caro Pangloss - perguntou Cândido -, porque estranho acaso vos volto a encontrar?

- É verdade - disse Pangloss - que me vistes enforcar.

Havia sido condenado a ser queimado vivo, e tal era o costume, mas deveis lembrar-vos de que choveu a cântaros quando o iam fazer. A tempestade foi tão violenta que não puderam acender a fogueira. Fui enforcado, à falta de melhor, e um cirurgião comprou o meu corpo e levou-o para casa para o dissecar.

<< Página Anterior

pág. 108 (Capítulo 28)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Cândido
Páginas: 118
Página atual: 108

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
CAPÍTULO I - Como Cândido foi educado num belo castelo e porque dele foi expulso 1
CAPÍTULO II - O que aconteceu a Cândido entre os Búlgaros 4
CAPÍTULO III - Como Cândido se livrou dos Búlgaros e o que lhe aconteceu 7
CAPÍTULO IV - Como Cândido encontrou o seu antigo mestre de filosofia, o Dr. Pangloss, e o que lhe aconteceu 10
CAPÍTULO V - Tempestade, naufrágio, tremor de terra, e o que aconteceu ao Dr. Pangloss, a Cândido e ao anabaptista Tiago 14
CAPÍTULO VI - Como se fez um belo auto-de-fé para impedir os tremores de terra e como Cândido foi açoitado 18
CAPÍTULO VII - Como uma velha cuidou de Cândido e ele encontrou aquela que amava 20
CAPÍTULO VIII - História de Cunegundes 23
CAPÍTULO IX - O que aconteceu a Cunegundes, a Cândido, ao inquisidor-mor e ao judeu 27
CAPÍTULO X - Em que angústia Cândido, Cunegundes e a velha chegam a Cádis e como embarcaram 29
CAPÍTULO XI - História da velha 32
CAPÍTULO XII - Continuação da história das desgraças da velha 36
CAPÍTULO XIII - Como Cândido foi obrigado a separar-se da bela Cunegundes e da velha 40
CAPÍTULO XIV - Como Cândido e Cacambo foram recebidos entre os jesuítas do Paraguai 43
CAPÍTULO XV - Como Cândido matou o irmão da sua querida Cunegundes 47
CAPÍTULO XVI - O que aconteceu aos dois viajantes com duas raparigas, dois macacos e os selvagens chamados Orelhões 50
CAPÍTULO XVII - Chegada de Cândido e do seu criado ao país do Eldorado e o que aí Viram 54
CAPÍTULO XVIII - O que viram no país do Eldorado 58
CAPÍTULO XIX - O que lhes aconteceu em Suriname e como Cândido conheceu Martin 64
CAPÍTULO XX - O que aconteceu no mar a Cândido e a Martin 70
CAPÍTULO XXI - Cândido e Martin aproximam-se das costas de França e filosofam 73
CAPÍTULO XXII - O que aconteceu em França a Cândido e a Martin 75
CAPÍTULO XXIII - Cândido e Martin dirigem-se para as costas de Inglaterra e o que por lá vêem 87
CAPÍTULO XXIV - De Paquette e do Irmão Giroflée 89
CAPÍTULO XXV - Visita ao Sr. Pococuranté, nobre veneziano 94
CAPÍTULO XXVI - De uma ceia que Cândido e Martin tiveram com seis estrangeiros e quem eles eram 100
CAPÍTULO XXVII - Viagem de Cândido para Constantinopla 104
CAPÍTULO XXVIII - O que aconteceu a Cândido, Cunegundes, Pangloss, Martin, etc. 108
CAPÍTULO XXIX - Como Cândido reencontrou Cunegundes e a velha 111
CAPÍTULO XXX – Conclusão 113
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site