Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 75

Capítulo 22: CAPÍTULO XXII - O que aconteceu em França a Cândido e a Martin

Página 75
CAPÍTULO XXII - O que aconteceu em França a Cândido e a Martin

Cândido apenas se deteve em Bordéus o tempo necessário para vender alguns seixos do Eldorado e para adquirir uma liteira de dois lugares, pois já não podia passar sem o seu filósofo Martin. Ficou, porém, muito triste por se separar do seu carneiro, que ofereceu à Academia das Ciências de Bordéus, a qual propôs para assunto do prémio daquele ano determinar a razão por que a lã daquele carneiro era vermelha. O prémio foi concedido a um sábio do Norte, que demonstrou por A mais B, menos C, dividido por Z, que o carneiro devia ser vermelho e morrer de gafeira.

Entretanto, todos os viajantes que Cândido encontrava nas estalagens e tabernas por onde passava lhe diziam: «Nós vamos a Paris.»

Este entusiasmo geral despertou nele, por fim, o desejo de ver esta cidade, e tanto mais que não se afastaria muito do caminho para Veneza.

Entrou pelo arrabalde Saint-Marceau, e julgou-se na aldeia mais vil da Vestefália.

Mal se instalou na hospedaria, Cândido sentiu-se atacado por um mal-estar ligeiro, resultante das fadigas da viagem. Como lhe viram no dedo um diamante enorme e repararam que entre a sua bagagem havia uma caixa prodigiosamente pesada, logo se viu rodeado de dois médicos que não tinha chamado, de alguns amigos Íntimos que não mais o abandonaram e de duas beatas que se encarregaram de lhe aquecer os caldos. Martin observava então:

- Lembro-me de ter estado doente em Paris quando aqui estive da primeira vez. Como era muito pobre, não tive nem amigos, nem médicos, nem beatas, e mesmo assim curei-me.

Entretanto, à força de mezinhas e de sangrias, a doença de Cândido tornava-se séria. Um padre do bairro veio pedir-lhe, com falas mansas, um cheque pagável ao portador no outro mundo.

<< Página Anterior

pág. 75 (Capítulo 22)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Cândido
Páginas: 118
Página atual: 75

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
CAPÍTULO I - Como Cândido foi educado num belo castelo e porque dele foi expulso 1
CAPÍTULO II - O que aconteceu a Cândido entre os Búlgaros 4
CAPÍTULO III - Como Cândido se livrou dos Búlgaros e o que lhe aconteceu 7
CAPÍTULO IV - Como Cândido encontrou o seu antigo mestre de filosofia, o Dr. Pangloss, e o que lhe aconteceu 10
CAPÍTULO V - Tempestade, naufrágio, tremor de terra, e o que aconteceu ao Dr. Pangloss, a Cândido e ao anabaptista Tiago 14
CAPÍTULO VI - Como se fez um belo auto-de-fé para impedir os tremores de terra e como Cândido foi açoitado 18
CAPÍTULO VII - Como uma velha cuidou de Cândido e ele encontrou aquela que amava 20
CAPÍTULO VIII - História de Cunegundes 23
CAPÍTULO IX - O que aconteceu a Cunegundes, a Cândido, ao inquisidor-mor e ao judeu 27
CAPÍTULO X - Em que angústia Cândido, Cunegundes e a velha chegam a Cádis e como embarcaram 29
CAPÍTULO XI - História da velha 32
CAPÍTULO XII - Continuação da história das desgraças da velha 36
CAPÍTULO XIII - Como Cândido foi obrigado a separar-se da bela Cunegundes e da velha 40
CAPÍTULO XIV - Como Cândido e Cacambo foram recebidos entre os jesuítas do Paraguai 43
CAPÍTULO XV - Como Cândido matou o irmão da sua querida Cunegundes 47
CAPÍTULO XVI - O que aconteceu aos dois viajantes com duas raparigas, dois macacos e os selvagens chamados Orelhões 50
CAPÍTULO XVII - Chegada de Cândido e do seu criado ao país do Eldorado e o que aí Viram 54
CAPÍTULO XVIII - O que viram no país do Eldorado 58
CAPÍTULO XIX - O que lhes aconteceu em Suriname e como Cândido conheceu Martin 64
CAPÍTULO XX - O que aconteceu no mar a Cândido e a Martin 70
CAPÍTULO XXI - Cândido e Martin aproximam-se das costas de França e filosofam 73
CAPÍTULO XXII - O que aconteceu em França a Cândido e a Martin 75
CAPÍTULO XXIII - Cândido e Martin dirigem-se para as costas de Inglaterra e o que por lá vêem 87
CAPÍTULO XXIV - De Paquette e do Irmão Giroflée 89
CAPÍTULO XXV - Visita ao Sr. Pococuranté, nobre veneziano 94
CAPÍTULO XXVI - De uma ceia que Cândido e Martin tiveram com seis estrangeiros e quem eles eram 100
CAPÍTULO XXVII - Viagem de Cândido para Constantinopla 104
CAPÍTULO XXVIII - O que aconteceu a Cândido, Cunegundes, Pangloss, Martin, etc. 108
CAPÍTULO XXIX - Como Cândido reencontrou Cunegundes e a velha 111
CAPÍTULO XXX – Conclusão 113
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site