Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 14

Capítulo 5: CAPÍTULO V - Tempestade, naufrágio, tremor de terra, e o que aconteceu ao Dr. Pangloss, a Cândido e ao anabaptista Tiago

Página 14
CAPÍTULO V - Tempestade, naufrágio, tremor de terra, e o que aconteceu ao Dr. Pangloss, a Cândido e ao anabaptista Tiago

Metade dos passageiros, aterrorizados, tomados daquelas angústias inconcebíveis que os balanços de um navio causam aos nervos e a todos os humores do corpo, agitados em sentidos contrários, quase não tinha forças para se inquietar com o perigo. A outra metade dos passageiros gritava e orava em altos berros. As velas rasgavam-se, os mastros partiam-se, o navio abria fendas. Trabalhava quem podia, ninguém se entendia, ninguém mandava. O anabaptista ajudava à manobra e estava no convés. Um marinheiro furioso atingiu-o com rudeza e arremessou-o ao chão. Porém, com o golpe que deu, sofreu um balanço tão forte que foi projectado pela borda fora, de cabeça para baixo, ficando suspenso e agarrado a um pedaço de um mastro partido. O bom Trago correu em seu auxílio, ajudando-o a erguer-se, mas o esforço que fez levou-o a cair ao mar à vista do marinheiro, que o deixou afogar-se sem se dignar sequer olhá-lo. Cândido aproxima-se e vê o seu benfeitor, que aparece um momento nas ondas e que depois é engolido para sempre. Quer lançar-se à água para o salvar, mas o filósofo Pangloss dissuade-o, demonstrando-lhe que o porto de Lisboa tinha sido formado expressamente para que o anabaptista nele se afogasse. Enquanto o provava a priori, o navio parte-se ao meio e todos perecem, com excepção de Pangloss, Cândido e do brutal marinheiro que deixara afogar o virtuoso anabaptista, O patife nadou sem perigo até à margem, que Pangloss e Cândido alcançaram agarrados a uma tábua.

Quando recobraram um pouco as forças, dirigiram-se a pé para Lisboa. Restava-lhes algum dinheiro, com o qual esperavam escapar da fome depois de se terem salvo da tempestade.

<< Página Anterior

pág. 14 (Capítulo 5)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Cândido
Páginas: 118
Página atual: 14

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
CAPÍTULO I - Como Cândido foi educado num belo castelo e porque dele foi expulso 1
CAPÍTULO II - O que aconteceu a Cândido entre os Búlgaros 4
CAPÍTULO III - Como Cândido se livrou dos Búlgaros e o que lhe aconteceu 7
CAPÍTULO IV - Como Cândido encontrou o seu antigo mestre de filosofia, o Dr. Pangloss, e o que lhe aconteceu 10
CAPÍTULO V - Tempestade, naufrágio, tremor de terra, e o que aconteceu ao Dr. Pangloss, a Cândido e ao anabaptista Tiago 14
CAPÍTULO VI - Como se fez um belo auto-de-fé para impedir os tremores de terra e como Cândido foi açoitado 18
CAPÍTULO VII - Como uma velha cuidou de Cândido e ele encontrou aquela que amava 20
CAPÍTULO VIII - História de Cunegundes 23
CAPÍTULO IX - O que aconteceu a Cunegundes, a Cândido, ao inquisidor-mor e ao judeu 27
CAPÍTULO X - Em que angústia Cândido, Cunegundes e a velha chegam a Cádis e como embarcaram 29
CAPÍTULO XI - História da velha 32
CAPÍTULO XII - Continuação da história das desgraças da velha 36
CAPÍTULO XIII - Como Cândido foi obrigado a separar-se da bela Cunegundes e da velha 40
CAPÍTULO XIV - Como Cândido e Cacambo foram recebidos entre os jesuítas do Paraguai 43
CAPÍTULO XV - Como Cândido matou o irmão da sua querida Cunegundes 47
CAPÍTULO XVI - O que aconteceu aos dois viajantes com duas raparigas, dois macacos e os selvagens chamados Orelhões 50
CAPÍTULO XVII - Chegada de Cândido e do seu criado ao país do Eldorado e o que aí Viram 54
CAPÍTULO XVIII - O que viram no país do Eldorado 58
CAPÍTULO XIX - O que lhes aconteceu em Suriname e como Cândido conheceu Martin 64
CAPÍTULO XX - O que aconteceu no mar a Cândido e a Martin 70
CAPÍTULO XXI - Cândido e Martin aproximam-se das costas de França e filosofam 73
CAPÍTULO XXII - O que aconteceu em França a Cândido e a Martin 75
CAPÍTULO XXIII - Cândido e Martin dirigem-se para as costas de Inglaterra e o que por lá vêem 87
CAPÍTULO XXIV - De Paquette e do Irmão Giroflée 89
CAPÍTULO XXV - Visita ao Sr. Pococuranté, nobre veneziano 94
CAPÍTULO XXVI - De uma ceia que Cândido e Martin tiveram com seis estrangeiros e quem eles eram 100
CAPÍTULO XXVII - Viagem de Cândido para Constantinopla 104
CAPÍTULO XXVIII - O que aconteceu a Cândido, Cunegundes, Pangloss, Martin, etc. 108
CAPÍTULO XXIX - Como Cândido reencontrou Cunegundes e a velha 111
CAPÍTULO XXX – Conclusão 113
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site