Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 3: CAPÍTULO III - Como Cândido se livrou dos Búlgaros e o que lhe aconteceu

Página 7
CAPÍTULO III - Como Cândido se livrou dos Búlgaros e o que lhe aconteceu

Nada era mais belo, mais lesto, mais brilhante, melhor ordenado, do que os dois exércitos. As trombetas, os pífaros, os clarinetes, os tambores, os canhões, formavam uma harmonia como nunca se viu no Inferno. Os canhões deitaram abaixo, à primeira descarga, perto de seis mil homens de cada lado. Depois, a mosque teria eliminou do melhor dos mundos cerca de nove a dez mil patifes que infestavam a sua superfície. A baioneta foi também a razão suficiente da morte de alguns milhares de homens. O total de mortos podia calcular-se em trinta mil almas. Cândido, que tremia como um filósofo, escondeu-se o melhor que pôde durante esta carnificina heróica.

Enfim, enquanto os dois reis mandavam cantar tedéus, cada um no seu acampamento, ele tomou o partido de ir raciocinar para outro lado sobre causas e efeitos. Passou por cima de um monte de mortos e moribundos e dirigiu-se em primeiro lugar para uma aldeia vizinha. Estava em cinzas; era uma povoação árabe que os Búlgaros tinham incendiado, segundo as leis do direito público. Aqui, velhos crivados de feridas viam morrer as mulheres degoladas, que tinham os filhos aos peitos em sangue; além, raparigas esventradas exalavam os últimos suspiros depois de nelas terem saciado os seus apetites alguns heróis. Outras, meio queimadas, gritavam pedindo que as acabassem de matar. Massas encefálicas espalhavam-se pela terra, ao lado de braços e pernas cortadas.

Cândido fugiu o mais depressa que pôde para outra aldeia.

Pertencia aos Búlgaros e os heróis ábares tinham-na tratado da mesma maneira. Cândido, caminhando sempre sobre membros palpitantes ou através de ruínas, chegou enfim fora do teatro da guerra, levando algumas provisões na bolsa e não esquecendo nunca a menina Cunegundes.

<< Página Anterior

pág. 7 (Capítulo 3)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Cândido
Páginas: 118
Página atual: 7

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
CAPÍTULO I - Como Cândido foi educado num belo castelo e porque dele foi expulso 1
CAPÍTULO II - O que aconteceu a Cândido entre os Búlgaros 4
CAPÍTULO III - Como Cândido se livrou dos Búlgaros e o que lhe aconteceu 7
CAPÍTULO IV - Como Cândido encontrou o seu antigo mestre de filosofia, o Dr. Pangloss, e o que lhe aconteceu 10
CAPÍTULO V - Tempestade, naufrágio, tremor de terra, e o que aconteceu ao Dr. Pangloss, a Cândido e ao anabaptista Tiago 14
CAPÍTULO VI - Como se fez um belo auto-de-fé para impedir os tremores de terra e como Cândido foi açoitado 18
CAPÍTULO VII - Como uma velha cuidou de Cândido e ele encontrou aquela que amava 20
CAPÍTULO VIII - História de Cunegundes 23
CAPÍTULO IX - O que aconteceu a Cunegundes, a Cândido, ao inquisidor-mor e ao judeu 27
CAPÍTULO X - Em que angústia Cândido, Cunegundes e a velha chegam a Cádis e como embarcaram 29
CAPÍTULO XI - História da velha 32
CAPÍTULO XII - Continuação da história das desgraças da velha 36
CAPÍTULO XIII - Como Cândido foi obrigado a separar-se da bela Cunegundes e da velha 40
CAPÍTULO XIV - Como Cândido e Cacambo foram recebidos entre os jesuítas do Paraguai 43
CAPÍTULO XV - Como Cândido matou o irmão da sua querida Cunegundes 47
CAPÍTULO XVI - O que aconteceu aos dois viajantes com duas raparigas, dois macacos e os selvagens chamados Orelhões 50
CAPÍTULO XVII - Chegada de Cândido e do seu criado ao país do Eldorado e o que aí Viram 54
CAPÍTULO XVIII - O que viram no país do Eldorado 58
CAPÍTULO XIX - O que lhes aconteceu em Suriname e como Cândido conheceu Martin 64
CAPÍTULO XX - O que aconteceu no mar a Cândido e a Martin 70
CAPÍTULO XXI - Cândido e Martin aproximam-se das costas de França e filosofam 73
CAPÍTULO XXII - O que aconteceu em França a Cândido e a Martin 75
CAPÍTULO XXIII - Cândido e Martin dirigem-se para as costas de Inglaterra e o que por lá vêem 87
CAPÍTULO XXIV - De Paquette e do Irmão Giroflée 89
CAPÍTULO XXV - Visita ao Sr. Pococuranté, nobre veneziano 94
CAPÍTULO XXVI - De uma ceia que Cândido e Martin tiveram com seis estrangeiros e quem eles eram 100
CAPÍTULO XXVII - Viagem de Cândido para Constantinopla 104
CAPÍTULO XXVIII - O que aconteceu a Cândido, Cunegundes, Pangloss, Martin, etc. 108
CAPÍTULO XXIX - Como Cândido reencontrou Cunegundes e a velha 111
CAPÍTULO XXX – Conclusão 113
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site