Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 58

Capítulo 18: CAPÍTULO XVIII - O que viram no país do Eldorado

Página 58
CAPÍTULO XVIII - O que viram no país do Eldorado

Cacambo manifestou ao hospedeiro toda a sua curiosidade e este disse-lhe:

- Eu sou muito ignorante e reconheço-o bem. Mas temos cá na aldeia um velho retirado da corte que é o homem mais sábio e mais comunicativo do reino.

Conduziu imediatamente Cacambo a casa do velho. Cândido fazia agora o papel de segunda personagem e acompanhava o criado. Entraram numa casa muito simples, porque a porta era apenas de prata e os lambris dos compartimentos somente de ouro, mas trabalhados com tanto gosto que não poderiam ser ofuscados por outros mais ricos. A antecâmara não era incrustada senão de rubis e esmeraldas, mas a ordem em que tudo estava disposto supria bem esta extrema simplicidade.

O velho recebeu os dois estrangeiros sentado num sofá acolchoado de penas de colibri e mandou-lhes servir licores em vasos de diamante. Depois satisfez-lhe a curiosidade, nestes termos.

- Tenho cento e setenta e dois anos e soube pelo meu falecido pai, escudeiro do rei, das espantosas revoluções do Peru, de que ele foi testemunha. O reino onde estamos é a antiga pátria dos Incas, que eles imprudentemente abandonaram para ir conquistar uma parte do mundo, sendo por fim destroçados pelos Espanhóis. Os príncipes desta raça que ficaram no país natal foram mais prudentes. Ordenaram, com o consentimento da nação, que nenhum habitante saísse do nosso pequeno reino, e foi isso que nos conservou a inocência e a felicidade. Os Espanhóis tiveram um vago conhecimento deste país e deram-lhe o nome de Eldorado. Um inglês, chamado Raleigh, conseguiu chegar até aqui há cerca de cem anos. Mas como nós estamos rodeados de rochedos inacessíveis e de precipícios, temos estado até ao presente ao abrigo da rapacidade das nações da Europa, que têm um furor inconcebível pelas pedras e pela terra e lama do nosso reino e que, para as possuírem, nos matariam a todos.

<< Página Anterior

pág. 58 (Capítulo 18)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Cândido
Páginas: 118
Página atual: 58

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
CAPÍTULO I - Como Cândido foi educado num belo castelo e porque dele foi expulso 1
CAPÍTULO II - O que aconteceu a Cândido entre os Búlgaros 4
CAPÍTULO III - Como Cândido se livrou dos Búlgaros e o que lhe aconteceu 7
CAPÍTULO IV - Como Cândido encontrou o seu antigo mestre de filosofia, o Dr. Pangloss, e o que lhe aconteceu 10
CAPÍTULO V - Tempestade, naufrágio, tremor de terra, e o que aconteceu ao Dr. Pangloss, a Cândido e ao anabaptista Tiago 14
CAPÍTULO VI - Como se fez um belo auto-de-fé para impedir os tremores de terra e como Cândido foi açoitado 18
CAPÍTULO VII - Como uma velha cuidou de Cândido e ele encontrou aquela que amava 20
CAPÍTULO VIII - História de Cunegundes 23
CAPÍTULO IX - O que aconteceu a Cunegundes, a Cândido, ao inquisidor-mor e ao judeu 27
CAPÍTULO X - Em que angústia Cândido, Cunegundes e a velha chegam a Cádis e como embarcaram 29
CAPÍTULO XI - História da velha 32
CAPÍTULO XII - Continuação da história das desgraças da velha 36
CAPÍTULO XIII - Como Cândido foi obrigado a separar-se da bela Cunegundes e da velha 40
CAPÍTULO XIV - Como Cândido e Cacambo foram recebidos entre os jesuítas do Paraguai 43
CAPÍTULO XV - Como Cândido matou o irmão da sua querida Cunegundes 47
CAPÍTULO XVI - O que aconteceu aos dois viajantes com duas raparigas, dois macacos e os selvagens chamados Orelhões 50
CAPÍTULO XVII - Chegada de Cândido e do seu criado ao país do Eldorado e o que aí Viram 54
CAPÍTULO XVIII - O que viram no país do Eldorado 58
CAPÍTULO XIX - O que lhes aconteceu em Suriname e como Cândido conheceu Martin 64
CAPÍTULO XX - O que aconteceu no mar a Cândido e a Martin 70
CAPÍTULO XXI - Cândido e Martin aproximam-se das costas de França e filosofam 73
CAPÍTULO XXII - O que aconteceu em França a Cândido e a Martin 75
CAPÍTULO XXIII - Cândido e Martin dirigem-se para as costas de Inglaterra e o que por lá vêem 87
CAPÍTULO XXIV - De Paquette e do Irmão Giroflée 89
CAPÍTULO XXV - Visita ao Sr. Pococuranté, nobre veneziano 94
CAPÍTULO XXVI - De uma ceia que Cândido e Martin tiveram com seis estrangeiros e quem eles eram 100
CAPÍTULO XXVII - Viagem de Cândido para Constantinopla 104
CAPÍTULO XXVIII - O que aconteceu a Cândido, Cunegundes, Pangloss, Martin, etc. 108
CAPÍTULO XXIX - Como Cândido reencontrou Cunegundes e a velha 111
CAPÍTULO XXX – Conclusão 113
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site