Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 87

Capítulo 23: CAPÍTULO XXIII - Cândido e Martin dirigem-se para as costas de Inglaterra e o que por lá vêem

Página 87
CAPÍTULO XXIII - Cândido e Martin dirigem-se para as costas de Inglaterra e o que por lá vêem

- Ah, Pangloss, Pangloss! Ah, Martin, Martin! Ah, minha querida Cunegundes! Que mundo é este? - dizia Cândido a bordo do navio holandês.

- Um lugar de loucura e abominação - respondia-lhe Martin.

- Conheceis já a Inglaterra. Serão lá tão loucos como em França?

- A loucura deles é de outra qualidade. Bem sabeis como estes dois países se guerreiam por alguns hectares de neve no Canadá e como gastam com esta guerra muito mais do que aquilo que o Canadá vale. Dizer-vos qual dos países necessita mais de camisas-de-forças, não mo permitem as minhas fracas luzes; sei apenas que, em geral, as pessoas que nós vamos ver são muito atrabiliárias.

Discorrendo deste modo, chegaram a Portsmouth. Uma enorme multidão cobria o porto e olhava atentamente para um homem corpulento, ajoelhado na coberta de um navio de guerra. Quatro soldados, postados em frente dele, deram-lhe, cada um, três descargas no crânio, com o ar mais natural deste mundo, e toda a gente voltou para casa extremamente satisfeita.

- Mas que é isto?- perguntou Cândido. - Que demónio exerce por toda a parte o seu império?

Perguntou quem era aquele homem que acabava de ser morto com tanta solenidade.

- É um almirante - responderam-lhe.

- Mas porque mataram este almirante?

- Mataram-no porque ele não mandou matar bastantes pessoas - explicaram-lhe então. - Deu combate a um almirante francês e parece que não estava suficientemente perto dele. - Mas - retorquiu Cândido - o almirante francês estava tão longe do almirante inglês como este daquele!

-É incontestável - replicaram-lhe -, mas neste país é bom matar de vez em quando um almirante para encorajar os outros.

<< Página Anterior

pág. 87 (Capítulo 23)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Cândido
Páginas: 118
Página atual: 87

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
CAPÍTULO I - Como Cândido foi educado num belo castelo e porque dele foi expulso 1
CAPÍTULO II - O que aconteceu a Cândido entre os Búlgaros 4
CAPÍTULO III - Como Cândido se livrou dos Búlgaros e o que lhe aconteceu 7
CAPÍTULO IV - Como Cândido encontrou o seu antigo mestre de filosofia, o Dr. Pangloss, e o que lhe aconteceu 10
CAPÍTULO V - Tempestade, naufrágio, tremor de terra, e o que aconteceu ao Dr. Pangloss, a Cândido e ao anabaptista Tiago 14
CAPÍTULO VI - Como se fez um belo auto-de-fé para impedir os tremores de terra e como Cândido foi açoitado 18
CAPÍTULO VII - Como uma velha cuidou de Cândido e ele encontrou aquela que amava 20
CAPÍTULO VIII - História de Cunegundes 23
CAPÍTULO IX - O que aconteceu a Cunegundes, a Cândido, ao inquisidor-mor e ao judeu 27
CAPÍTULO X - Em que angústia Cândido, Cunegundes e a velha chegam a Cádis e como embarcaram 29
CAPÍTULO XI - História da velha 32
CAPÍTULO XII - Continuação da história das desgraças da velha 36
CAPÍTULO XIII - Como Cândido foi obrigado a separar-se da bela Cunegundes e da velha 40
CAPÍTULO XIV - Como Cândido e Cacambo foram recebidos entre os jesuítas do Paraguai 43
CAPÍTULO XV - Como Cândido matou o irmão da sua querida Cunegundes 47
CAPÍTULO XVI - O que aconteceu aos dois viajantes com duas raparigas, dois macacos e os selvagens chamados Orelhões 50
CAPÍTULO XVII - Chegada de Cândido e do seu criado ao país do Eldorado e o que aí Viram 54
CAPÍTULO XVIII - O que viram no país do Eldorado 58
CAPÍTULO XIX - O que lhes aconteceu em Suriname e como Cândido conheceu Martin 64
CAPÍTULO XX - O que aconteceu no mar a Cândido e a Martin 70
CAPÍTULO XXI - Cândido e Martin aproximam-se das costas de França e filosofam 73
CAPÍTULO XXII - O que aconteceu em França a Cândido e a Martin 75
CAPÍTULO XXIII - Cândido e Martin dirigem-se para as costas de Inglaterra e o que por lá vêem 87
CAPÍTULO XXIV - De Paquette e do Irmão Giroflée 89
CAPÍTULO XXV - Visita ao Sr. Pococuranté, nobre veneziano 94
CAPÍTULO XXVI - De uma ceia que Cândido e Martin tiveram com seis estrangeiros e quem eles eram 100
CAPÍTULO XXVII - Viagem de Cândido para Constantinopla 104
CAPÍTULO XXVIII - O que aconteceu a Cândido, Cunegundes, Pangloss, Martin, etc. 108
CAPÍTULO XXIX - Como Cândido reencontrou Cunegundes e a velha 111
CAPÍTULO XXX – Conclusão 113
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site