Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 29

Capítulo 10: CAPÍTULO X - Em que angústia Cândido, Cunegundes e a velha chegam a Cádis e como embarcaram

Página 29
CAPÍTULO X - Em que angústia Cândido, Cunegundes e a velha chegam a Cádis e como embarcaram

- Quem teria roubado o meu ouro e os meus diamantes? -lamentava-se Cunegundes, chorando. - De que viveremos nós? Onde poderei encontrar inquisidores e judeus que me dêem outros?

- Ai! - disse a velha -, suspeito de um reverendo franciscano que ontem dormiu na mesma estalagem de Badajoz em que pernoitámos. Deus me livre de fazer juízos temerários, mas ele entrou duas vezes no nosso quarto e partiu muito tempo antes de nós.

- Ai! - disse Cândido -, o bom Pangloss demonstrou-me muitas vezes que os bens terrenos são comuns a todos e que cada um de nós tem direitos iguais sobre eles. Segundo estes princípios, o franciscano tinha obrigação de nos deixar o bastante para terminarmos a nossa viagem. Não nos resta pois coisa alguma, minha bela Cunegundes?

- Nem um maravedi (moeda da época) - respondeu ela.

- Que fazer então? - retorquiu Cândido.

- Vendamos um dos cavalos - sugeriu a velha. - Ainda que só me possa sentar sobre uma nádega, montarei atrás da menina, e conseguiremos chegar a Cádis.

Encontrava-se na mesma estalagem um prior de beneditinos que comprou o cavalo por um preço muito inferior ao seu valor. Cândido, Cunegundes e a velha passaram por Lucena, Chilas e Lebrixa e chegaram por fim a Cádis. Organizava-se aí uma armada para ir conter em respeito os reverendos padres jesuítas do Paraguai, que eram acusados de terem provocado uma revolta contra os reis de Espanha e de Portugal, próximo da cidade de Sacramento.

Cândido, que tinha servido no exército búlgaro, fez o exercício búlgaro em frente do general que comandava o exército com tanta graça, presteza, habilidade, garbo e agilidade que lhe entregaram o comando de uma companhia de infantaria.

<< Página Anterior

pág. 29 (Capítulo 10)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Cândido
Páginas: 118
Página atual: 29

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
CAPÍTULO I - Como Cândido foi educado num belo castelo e porque dele foi expulso 1
CAPÍTULO II - O que aconteceu a Cândido entre os Búlgaros 4
CAPÍTULO III - Como Cândido se livrou dos Búlgaros e o que lhe aconteceu 7
CAPÍTULO IV - Como Cândido encontrou o seu antigo mestre de filosofia, o Dr. Pangloss, e o que lhe aconteceu 10
CAPÍTULO V - Tempestade, naufrágio, tremor de terra, e o que aconteceu ao Dr. Pangloss, a Cândido e ao anabaptista Tiago 14
CAPÍTULO VI - Como se fez um belo auto-de-fé para impedir os tremores de terra e como Cândido foi açoitado 18
CAPÍTULO VII - Como uma velha cuidou de Cândido e ele encontrou aquela que amava 20
CAPÍTULO VIII - História de Cunegundes 23
CAPÍTULO IX - O que aconteceu a Cunegundes, a Cândido, ao inquisidor-mor e ao judeu 27
CAPÍTULO X - Em que angústia Cândido, Cunegundes e a velha chegam a Cádis e como embarcaram 29
CAPÍTULO XI - História da velha 32
CAPÍTULO XII - Continuação da história das desgraças da velha 36
CAPÍTULO XIII - Como Cândido foi obrigado a separar-se da bela Cunegundes e da velha 40
CAPÍTULO XIV - Como Cândido e Cacambo foram recebidos entre os jesuítas do Paraguai 43
CAPÍTULO XV - Como Cândido matou o irmão da sua querida Cunegundes 47
CAPÍTULO XVI - O que aconteceu aos dois viajantes com duas raparigas, dois macacos e os selvagens chamados Orelhões 50
CAPÍTULO XVII - Chegada de Cândido e do seu criado ao país do Eldorado e o que aí Viram 54
CAPÍTULO XVIII - O que viram no país do Eldorado 58
CAPÍTULO XIX - O que lhes aconteceu em Suriname e como Cândido conheceu Martin 64
CAPÍTULO XX - O que aconteceu no mar a Cândido e a Martin 70
CAPÍTULO XXI - Cândido e Martin aproximam-se das costas de França e filosofam 73
CAPÍTULO XXII - O que aconteceu em França a Cândido e a Martin 75
CAPÍTULO XXIII - Cândido e Martin dirigem-se para as costas de Inglaterra e o que por lá vêem 87
CAPÍTULO XXIV - De Paquette e do Irmão Giroflée 89
CAPÍTULO XXV - Visita ao Sr. Pococuranté, nobre veneziano 94
CAPÍTULO XXVI - De uma ceia que Cândido e Martin tiveram com seis estrangeiros e quem eles eram 100
CAPÍTULO XXVII - Viagem de Cândido para Constantinopla 104
CAPÍTULO XXVIII - O que aconteceu a Cândido, Cunegundes, Pangloss, Martin, etc. 108
CAPÍTULO XXIX - Como Cândido reencontrou Cunegundes e a velha 111
CAPÍTULO XXX – Conclusão 113
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site