Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 10

Capítulo 4: CAPÍTULO IV - Como Cândido encontrou o seu antigo mestre de filosofia, o Dr. Pangloss, e o que lhe aconteceu

Página 10
CAPÍTULO IV - Como Cândido encontrou o seu antigo mestre de filosofia, o Dr. Pangloss, e o que lhe aconteceu

Cândido, mais comovido ainda de compaixão do que de horror, deu a este pavoroso mendigo os dois florins que tinha recebido do seu honesto anabaptista. O fantasma olhou fixamente para ele e, debulhado em lágrimas, saltou-lhe ao pescoço. Cândido, assustado, recuou.

- Ai! - disse o miserável ao outro miserável-, já não reconheceis o vosso amigo Pangloss?

- Que ouço? O meu querido mestre! Vós, neste estado horrível! Que desgraça vos aconteceu? Porque não estais já no mais belo dos castelos? Que aconteceu à menina Cunegundes, a pérola das raparigas, a obra-prima da natureza?

- Não posso mais. Não tenho forças - disse Pangloss. Cândido levou-o imediatamente para o estábulo do anabaptista, onde o fez comer um bocado de pão. E, quando Pangloss se refez, perguntou-lhe:

- E então Cunegundes?

- Morreu - respondeu o outro.

Cândido desmaiou ao ouvir isto. O amigo fê-lo voltar a si, dando-lhe a cheirar um pouco de vinagre que encontrou no estábulo. Cândido reabriu os olhos:

- Cunegundes morreu! Mas onde está o melhor dos mundos? De que doença morreu ela? Não seria de me ter visto expulsar a pontapé do lindo castelo do senhor seu pai?

- Não - respondeu Pangloss -, foi esventrada por soldados búlgaros, depois de ter sido violada tanto quanto se pode sê-lo. Esmigalharam a cabeça ao Sr. Barão, que a queria defender, e cortaram a Srª. Baronesa em bocados. O meu pobre pupilo foi tratado exactamente como a irmã. Quanto ao castelo, não ficou pedra sobre pedra, nem um prado, nem um carneiro, nem um pato, nem uma árvore. Mas fomos bem vingados, porque os Ábares fizeram o mesmo numa baronia vizinha que pertencia a um senhor búlgaro.

<< Página Anterior

pág. 10 (Capítulo 4)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Cândido
Páginas: 118
Página atual: 10

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
CAPÍTULO I - Como Cândido foi educado num belo castelo e porque dele foi expulso 1
CAPÍTULO II - O que aconteceu a Cândido entre os Búlgaros 4
CAPÍTULO III - Como Cândido se livrou dos Búlgaros e o que lhe aconteceu 7
CAPÍTULO IV - Como Cândido encontrou o seu antigo mestre de filosofia, o Dr. Pangloss, e o que lhe aconteceu 10
CAPÍTULO V - Tempestade, naufrágio, tremor de terra, e o que aconteceu ao Dr. Pangloss, a Cândido e ao anabaptista Tiago 14
CAPÍTULO VI - Como se fez um belo auto-de-fé para impedir os tremores de terra e como Cândido foi açoitado 18
CAPÍTULO VII - Como uma velha cuidou de Cândido e ele encontrou aquela que amava 20
CAPÍTULO VIII - História de Cunegundes 23
CAPÍTULO IX - O que aconteceu a Cunegundes, a Cândido, ao inquisidor-mor e ao judeu 27
CAPÍTULO X - Em que angústia Cândido, Cunegundes e a velha chegam a Cádis e como embarcaram 29
CAPÍTULO XI - História da velha 32
CAPÍTULO XII - Continuação da história das desgraças da velha 36
CAPÍTULO XIII - Como Cândido foi obrigado a separar-se da bela Cunegundes e da velha 40
CAPÍTULO XIV - Como Cândido e Cacambo foram recebidos entre os jesuítas do Paraguai 43
CAPÍTULO XV - Como Cândido matou o irmão da sua querida Cunegundes 47
CAPÍTULO XVI - O que aconteceu aos dois viajantes com duas raparigas, dois macacos e os selvagens chamados Orelhões 50
CAPÍTULO XVII - Chegada de Cândido e do seu criado ao país do Eldorado e o que aí Viram 54
CAPÍTULO XVIII - O que viram no país do Eldorado 58
CAPÍTULO XIX - O que lhes aconteceu em Suriname e como Cândido conheceu Martin 64
CAPÍTULO XX - O que aconteceu no mar a Cândido e a Martin 70
CAPÍTULO XXI - Cândido e Martin aproximam-se das costas de França e filosofam 73
CAPÍTULO XXII - O que aconteceu em França a Cândido e a Martin 75
CAPÍTULO XXIII - Cândido e Martin dirigem-se para as costas de Inglaterra e o que por lá vêem 87
CAPÍTULO XXIV - De Paquette e do Irmão Giroflée 89
CAPÍTULO XXV - Visita ao Sr. Pococuranté, nobre veneziano 94
CAPÍTULO XXVI - De uma ceia que Cândido e Martin tiveram com seis estrangeiros e quem eles eram 100
CAPÍTULO XXVII - Viagem de Cândido para Constantinopla 104
CAPÍTULO XXVIII - O que aconteceu a Cândido, Cunegundes, Pangloss, Martin, etc. 108
CAPÍTULO XXIX - Como Cândido reencontrou Cunegundes e a velha 111
CAPÍTULO XXX – Conclusão 113
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site