Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 94

Capítulo 25: CAPÍTULO XXV - Visita ao Sr. Pococuranté, nobre veneziano

Página 94
CAPÍTULO XXV - Visita ao Sr. Pococuranté, nobre veneziano

Cândido e Martin tomaram uma gôndola no Brenta e chegaram ao palácio do nobre Pococuranté. Os jardins eram extensos e ornados de belas estátuas de mármore; o palácio, de esplêndida arquitectura. O dono da casa, homem de sessenta anos, muito rico, recebeu delicadamente os dois curiosos, mas com tão pouca solicitude, que desconcertou Cândido e agradou imenso a Martin.

Primeiramente, duas lindas raparigas, muito bem vestidas, serviram-lhes chocolate, muito bem batido. Cândido não pôde deixar de elogiar a sua beleza, a sua graça e a sua habilidade.

- São boas pessoas - disse o senador Pococuranté -; faço-

-as dormir algumas vezes comigo, porque estou farto das damas

da cidade, das suas galantarias, dos seus ciúmes, das suas zangas, dos seus humores, das suas futilidades, do seu orgulho, das suas palermices e dos sonetos que é preciso fazer ou encomendar para elas. Porém, apesar de tudo, estas duas raparigas começam já a aborrecer-me.

Cândido, passeando, depois do almoço, numa comprida galeria, ficou surpreendido com a beleza dos quadros.

Perguntou então que mestre tinha pintado os dois primeiros. - São de Rafael- respondeu o senador. - Comprei-os por alto preço, já há alguns anos, para satisfazer a minha vaidade. Dizem que são os mais belos de toda a Itália. Mas não me agradam. A cor é muito sombria e as figuras são pouco arredondadas é não sobressaem. As roupagens não dão a ilusão de tecido - em suma, digam o que disserem, não encontro nestas pinturas uma verdadeira imitação da natureza. Só gostarei de um quadro quando julgar estar a ver nele a própria natureza: mas esses não existem. Possuo imensos quadros, mas nem já olho para eles.

<< Página Anterior

pág. 94 (Capítulo 25)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Cândido
Páginas: 118
Página atual: 94

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
CAPÍTULO I - Como Cândido foi educado num belo castelo e porque dele foi expulso 1
CAPÍTULO II - O que aconteceu a Cândido entre os Búlgaros 4
CAPÍTULO III - Como Cândido se livrou dos Búlgaros e o que lhe aconteceu 7
CAPÍTULO IV - Como Cândido encontrou o seu antigo mestre de filosofia, o Dr. Pangloss, e o que lhe aconteceu 10
CAPÍTULO V - Tempestade, naufrágio, tremor de terra, e o que aconteceu ao Dr. Pangloss, a Cândido e ao anabaptista Tiago 14
CAPÍTULO VI - Como se fez um belo auto-de-fé para impedir os tremores de terra e como Cândido foi açoitado 18
CAPÍTULO VII - Como uma velha cuidou de Cândido e ele encontrou aquela que amava 20
CAPÍTULO VIII - História de Cunegundes 23
CAPÍTULO IX - O que aconteceu a Cunegundes, a Cândido, ao inquisidor-mor e ao judeu 27
CAPÍTULO X - Em que angústia Cândido, Cunegundes e a velha chegam a Cádis e como embarcaram 29
CAPÍTULO XI - História da velha 32
CAPÍTULO XII - Continuação da história das desgraças da velha 36
CAPÍTULO XIII - Como Cândido foi obrigado a separar-se da bela Cunegundes e da velha 40
CAPÍTULO XIV - Como Cândido e Cacambo foram recebidos entre os jesuítas do Paraguai 43
CAPÍTULO XV - Como Cândido matou o irmão da sua querida Cunegundes 47
CAPÍTULO XVI - O que aconteceu aos dois viajantes com duas raparigas, dois macacos e os selvagens chamados Orelhões 50
CAPÍTULO XVII - Chegada de Cândido e do seu criado ao país do Eldorado e o que aí Viram 54
CAPÍTULO XVIII - O que viram no país do Eldorado 58
CAPÍTULO XIX - O que lhes aconteceu em Suriname e como Cândido conheceu Martin 64
CAPÍTULO XX - O que aconteceu no mar a Cândido e a Martin 70
CAPÍTULO XXI - Cândido e Martin aproximam-se das costas de França e filosofam 73
CAPÍTULO XXII - O que aconteceu em França a Cândido e a Martin 75
CAPÍTULO XXIII - Cândido e Martin dirigem-se para as costas de Inglaterra e o que por lá vêem 87
CAPÍTULO XXIV - De Paquette e do Irmão Giroflée 89
CAPÍTULO XXV - Visita ao Sr. Pococuranté, nobre veneziano 94
CAPÍTULO XXVI - De uma ceia que Cândido e Martin tiveram com seis estrangeiros e quem eles eram 100
CAPÍTULO XXVII - Viagem de Cândido para Constantinopla 104
CAPÍTULO XXVIII - O que aconteceu a Cândido, Cunegundes, Pangloss, Martin, etc. 108
CAPÍTULO XXIX - Como Cândido reencontrou Cunegundes e a velha 111
CAPÍTULO XXX – Conclusão 113
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site