Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 36

Capítulo 12: CAPÍTULO XII - Continuação da história das desgraças da velha

Página 36
CAPÍTULO XII - Continuação da história das desgraças da velha

- Surpreendida e contente por ouvir a língua da minha pátria, e não menos admirada das palavras que aquele homem proferia, respondi-lhe que havia desgraças bem maiores do que aquela de que ele se queixava. Contei-lhe em poucas palavras os horrores que sofrera e voltei a desmaiar. Ele levou-me para uma casa vizinha, mandou que me deitassem na cama e me dessem de comer, serviu-me, consolou-me, lisonjeou-me, dizendo-me que nunca tinha visto mulher tão bela como eu, nem lastimar tanto como agora a falta de uma coisa que ninguém lhe podia restituir.

«‘ Nasci em Nápoles’, disse-me ele, ‘onde castram todos 85 anos dois ou três mil rapazes. Uns morrem, os outros adquirem uma voz mais bela que a das mulheres e outros, ainda, vão governar os Estados. Fizeram-me tal operação com bom resultado e fui músico da capela da princesa de Palestrina.’

«'- De minha mãe!', exclamei eu.

«‘- De vossa mãe!’, gritou ele, chorando. 'O quê? Seríeis vós aquela princesinha que eduquei até à idade de seis anos e que prometia já ser tão bela como agora vós sois?'

«'- Eu própria. Minha mãe está a quatrocentos passos daqui, feita em pedaços, debaixo de um monte de cadáveres... '

«Contei-lhe tudo o que me tinha acontecido. Ele contou-me também as suas aventuras, dizendo-me que tinha sido enviado ao rei de Marrocos por uma potência estrangeira, para concluir com este monarca um tratado por meio do qual ela lhe forneceria pólvora, canhões e navios para o ajudar a exterminar o comércio dos outros cristãos.

«‘- A minha missão está cumprida’, disse ele; 'vou embarcar para Ceuta e levar-vos-ei para Itália. Ma che sciagura d'essere d'senza c …!

«Agradeci-lhe com lágrimas de enternecimento, mas ele, em vez de me levar para Itália, levou-me para Argel e vendeu-me ao bei daquela província.

<< Página Anterior

pág. 36 (Capítulo 12)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Cândido
Páginas: 118
Página atual: 36

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
CAPÍTULO I - Como Cândido foi educado num belo castelo e porque dele foi expulso 1
CAPÍTULO II - O que aconteceu a Cândido entre os Búlgaros 4
CAPÍTULO III - Como Cândido se livrou dos Búlgaros e o que lhe aconteceu 7
CAPÍTULO IV - Como Cândido encontrou o seu antigo mestre de filosofia, o Dr. Pangloss, e o que lhe aconteceu 10
CAPÍTULO V - Tempestade, naufrágio, tremor de terra, e o que aconteceu ao Dr. Pangloss, a Cândido e ao anabaptista Tiago 14
CAPÍTULO VI - Como se fez um belo auto-de-fé para impedir os tremores de terra e como Cândido foi açoitado 18
CAPÍTULO VII - Como uma velha cuidou de Cândido e ele encontrou aquela que amava 20
CAPÍTULO VIII - História de Cunegundes 23
CAPÍTULO IX - O que aconteceu a Cunegundes, a Cândido, ao inquisidor-mor e ao judeu 27
CAPÍTULO X - Em que angústia Cândido, Cunegundes e a velha chegam a Cádis e como embarcaram 29
CAPÍTULO XI - História da velha 32
CAPÍTULO XII - Continuação da história das desgraças da velha 36
CAPÍTULO XIII - Como Cândido foi obrigado a separar-se da bela Cunegundes e da velha 40
CAPÍTULO XIV - Como Cândido e Cacambo foram recebidos entre os jesuítas do Paraguai 43
CAPÍTULO XV - Como Cândido matou o irmão da sua querida Cunegundes 47
CAPÍTULO XVI - O que aconteceu aos dois viajantes com duas raparigas, dois macacos e os selvagens chamados Orelhões 50
CAPÍTULO XVII - Chegada de Cândido e do seu criado ao país do Eldorado e o que aí Viram 54
CAPÍTULO XVIII - O que viram no país do Eldorado 58
CAPÍTULO XIX - O que lhes aconteceu em Suriname e como Cândido conheceu Martin 64
CAPÍTULO XX - O que aconteceu no mar a Cândido e a Martin 70
CAPÍTULO XXI - Cândido e Martin aproximam-se das costas de França e filosofam 73
CAPÍTULO XXII - O que aconteceu em França a Cândido e a Martin 75
CAPÍTULO XXIII - Cândido e Martin dirigem-se para as costas de Inglaterra e o que por lá vêem 87
CAPÍTULO XXIV - De Paquette e do Irmão Giroflée 89
CAPÍTULO XXV - Visita ao Sr. Pococuranté, nobre veneziano 94
CAPÍTULO XXVI - De uma ceia que Cândido e Martin tiveram com seis estrangeiros e quem eles eram 100
CAPÍTULO XXVII - Viagem de Cândido para Constantinopla 104
CAPÍTULO XXVIII - O que aconteceu a Cândido, Cunegundes, Pangloss, Martin, etc. 108
CAPÍTULO XXIX - Como Cândido reencontrou Cunegundes e a velha 111
CAPÍTULO XXX – Conclusão 113
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site