Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 10: Capítulo 10

Página 28
Julgo que, para fugir, aproveitou uma migração de pássaros selvagens. No dia da partida, passou a manhã a arranjar o planeta, para deixar tudo em ordem. Varreu cuidadosamente por dentro os vulcões em actividade. Tinha dois vulcões em actividade. E davam imenso jeito, de manhãzinha, para aquecer o pequeno-almoço. Também tinha um vulcão extinto. Mas, como ele dizia: "Nunca se sabe... " Portanto, também varreu o vulcão extinto. Bem limpinhos, os vulcões ardem devagar, de uma forma regular e não têm erupções. As erupções vulcânicas são como os incêndios nas chaminés. É claro que cá, na nossa terra, somos demasiado pequenos para limpar os nossos vulcões. Por isso é que eles nos causam uma data de aborrecimentos.

Com uma pontinha de melancolia, o principezinho também foi arrancar os últimos rebentos de embondeiro. Pensava nunca mais voltar. Nessa manhã, todas aquelas tarefas, tão familiares, lhe pareciam perfeitamente deliciosas. E quando estava a regar a flor pela última vez e se preparava para a cobrir com a redoma, descobriu que tinha uma grande vontade de chorar.

o principezinho limpa os vulcões do seu planeta
Varreu cuidadosamente por dentro os vulcões em actividade

<< Página Anterior

pág. 28 (Capítulo 10)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro O Principezinho
Páginas: 78
Página atual: 28

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 2
Capítulo 3 5
Capítulo 4 8
Capítulo 5 11
Capítulo 6 15
Capítulo 7 19
Capítulo 8 20
Capítulo 9 24
Capítulo 10 28
Capítulo 11 30
Capítulo 12 35
Capítulo 13 37
Capítulo 14 38
Capítulo 15 42
Capítulo 16 46
Capítulo 17 50
Capítulo 18 51
Capítulo 19 53
Capítulo 20 54
Capítulo 21 55
Capítulo 22 56
Capítulo 23 62
Capítulo 24 63
Capítulo 25 64
Capítulo 26 67
Capítulo 27 70
Capítulo 28 77
Capítulo 29 78
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site