Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 108

Capítulo 9: Capítulo IX

Página 108
Capítulo IX

Ia pela metade o expediente matutino e Winston saíra do cubículo para ir à toilette.

Uma figura solitária caminhava ao seu encontro, do outro extremo do corredor enorme, bem iluminado. Era a moça do cabelo escuro. Quatro dias se haviam passado desde o encontro diante da casa de quinquilharia. Quando se aproximou, viu que ela trazia o braço direito na tipoia, que se não distinguia a distância por ser da mesma cor que o macacão. Certamente machucara a mão fazendo girar um dos grandes caleidoscópios nos quais eram "criados" os enredos das novelas. Era um desastre comum no Departamento de Ficção.

Estavam a talvez quatro metros de distância quando a moça tropeçou e caiu de bruços. Soltou um grito de dor agudo. Devia ter caído sobre o braço ferido. Winston deteve-se. A moça levantara-se sobre os joelhos. Seu rosto estava de cor amarelo-creme, que fazia destacar a boca, mais vermelha que nunca. Fixava-o dentro dos olhos, com uma expressão implorante que parecia mais de medo que de dor.

Uma emoção estranha agitou o coração de Winston. Diante dele estava um inimigo que queria matá-lo; mas diante dele, também, havia uma criatura humana, sofrendo, talvez com um osso partido. Já se adiantara instintivamente para ajudá-la. No momento em que a vira cair sobre o braço vendado, sentira como que uma dor no próprio corpo.

- Magoaste-te? - indagou.

- Não é nada. Meu braço. Daqui a nada está bom.

Ela falou como se tivesse o coração agitado. Empalidecera fortemente.

- Não partiste nada?

- Não, estou bem. Doeu um pouco, mas já passou.

Deu-lhe a mão livre, e ele ajudou-a a levantar-se. Ela já recuperara um pouco do seu colorido e parecia estar melhor.

<< Página Anterior

pág. 108 (Capítulo 9)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro 1984
Páginas: 309
Página atual: 108

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo I 1
Capítulo II 20
Capítulo III 29
Capítulo IV 38
Capítulo V 50
Capítulo VI 66
Capítulo VII 72
Capítulo VIII 85
Capítulo IX 108
Capítulo X 120
Capítulo XI 130
Capítulo XII 141
Capítulo XIII 152
Capítulo XIV 162
Capítulo XV 165
Capítulo XVI 173
Capítulo XVII 185
Capítulo XVIII 235
Capítulo XIX 249
Capítulo XX 270
Capítulo XXI 284
Capítulo XXII 293
Capítulo XXIII 298
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site