Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 162

Capítulo 14: Capítulo XIV

Página 162
Capítulo XIV

Por fim acontecera. Chegara a esperada mensagem. Pareceu-lhe que a vida toda estivera à espera daquilo.

Caminhava pelo longo corredor do Ministério e estava quase no local onde Júlia lhe metera o bilhete na mão quando percebeu que o seguia alguém, mais encorpado que ele. Essa pessoa, fosse quem fosse, tossiu um pouco, como um prelúdio à fala. Winston parou abruptamente e voltou-se. Era O'Brien.

Afinal encontravam-se face a face, e pareceu-lhe que o seu único impulso era fugir. O coração martelava furiosamente. Não conseguiria falar. O'Brien, todavia, continuara no mesmo movimento, colocando a mão por um momento no braço de Winston, de modo que agora caminhavam lado a lado. Começou a falar com a solene cortesia característica que tanto o diferenciava da maioria dos membros do Partido Interno.

- Tinha esperança de poder-te falar - disse. - Li outro dia no Times um teu artigo em Novilíngua. Tens um interesse de erudito na Novilíngua, não é?

Winston recuperara um pouco do seu autocontrole.

- Erudito, não. Sou um mero amador. Não é o meu forte. Nunca tive nenhuma interferência na construção do idioma.

- Mas o escreves com muita elegância - insistiu O'Brien. - E não é apenas minha opinião. Recentemente, conversei com um amigo teu, que é um perito. No momento, foge-me da memória o nome dele.

O coração de Winston tornou a pular, doloridamente. Era inconcebível que aquelas palavras não fossem referência a Syme. Porém Syme não estava apenas morto, fora abolido, era uma impessoa. Seria mortalmente perigoso fazer-lhe uma referência identificável. A observação de O'Brien deveria, evidentemente, ser tomada como sinal, código. Dividindo uma pequena crimideia, os dois tornavam-se cúmplices.

<< Página Anterior

pág. 162 (Capítulo 14)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro 1984
Páginas: 309
Página atual: 162

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo I 1
Capítulo II 20
Capítulo III 29
Capítulo IV 38
Capítulo V 50
Capítulo VI 66
Capítulo VII 72
Capítulo VIII 85
Capítulo IX 108
Capítulo X 120
Capítulo XI 130
Capítulo XII 141
Capítulo XIII 152
Capítulo XIV 162
Capítulo XV 165
Capítulo XVI 173
Capítulo XVII 185
Capítulo XVIII 235
Capítulo XIX 249
Capítulo XX 270
Capítulo XXI 284
Capítulo XXII 293
Capítulo XXIII 298
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site