Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 14: Capítulo 14

Página 202

Quando o Sol desceu no horizonte, vi a silhueta solitária do índio perfilar-se na vasta planície que se estendia a meus pés e segui-a muito tempo com o olhar: não era ela a nossa suprema esperança de salvação? Desapareceu, por fim, nas brumas vaporosas da noite que se tinham erguido entre o planalto e o ribeiro longínquo.

Fazia já noite cerrada quando, deixando atras de mim o clarão vermelho da fogueira de Zambo, voltei melancolicamente para o acampamento; não obstante, sentia-me satisfeito; pelo menos o mundo saberia o que fizéramos e os nossos nomes não pereceriam com os nossos corpos: ficariam, pelo contrário, associados para a posteridade ao resultado dos nossos trabalhos.

Dormir naquele acampamento cruelmente marcado pelo destino era impressionante; menos assustador, todavia, do que a selva. E eu só podia escolher entre estes dois sítios. Além disso, a mais elementar prudência impunha-me que me mantivesse de sobreaviso enquanto a natureza, por outro lado, visto o meu esgotamento, reclamava que me repousasse de imediato. Trepei para um ramo da grande árvore de especiarias, mas foi em vão que procurei um recanto onde ficasse empoleirado em segurança; partiria certamente o pescoço porque, ao adormecer, teria caído. Voltei, pois, a descer e fechei a porta do refúgio; acendi três fogueiras. separadas, em triangulo, preparei uma cela confortável e adormeci como uma pedra.

O meu despertar foi tão inesperado como feliz. De manhazinha uma mão poisou-me no ombro. Sobressaltei-me, empunhei a espingarda e todos os meus nervos ficaram tensos.

<< Página Anterior

pág. 202 (Capítulo 14)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro O Mundo Perdido
Páginas: 286
Página atual: 202

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 2
Capítulo 3 11
Capítulo 4 21
Capítulo 5 31
Capítulo 6 53
Capítulo 7 70
Capítulo 8 83
Capítulo 9 96
Capítulo 10 113
Capítulo 11 142
Capítulo 12 161
Capítulo 13 182
Capítulo 14 202
Capítulo 15 222
Capítulo 16 242
Capítulo 17 264
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site