Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 5: CAPÍTULO IV
SELECÇÃO NATURAL

Página 89
de milhares de gerações, de outras variações com alguma utilidade para cada ser na grandiosa e complexa batalha da vida? Se tais variações ocorrem, poderemos duvidar (recordando que nascem muitos mais indivíduos do que os que têm possibilidade de sobreviver) de que os indivíduos dotados de qualquer vantagem, por muito ligeira, sobre outros, teriam a melhor probabilidade de sobreviver e de propagar o seu tipo? Por outro lado, podemos estar certos de que qualquer variação minimamente prejudicial seria inevitavelmente destruída. Chamo «selecção natural» a esta preservação de variações favoráveis e rejeição de variações prejudiciais. As variações que não são úteis nem prejudiciais não seriam afectadas pela selecção natural e permaneceriam um elemento inconstante, como observamos talvez nas espécies ditas «polimórficas».

Compreenderemos melhor o rumo provável da selecção natural tomando o exemplo de uma região que sofre qualquer transformação física, por exemplo, climática. A proporção numérica dos seus habitantes sofreria quase imediatamente uma mudança e algumas espécies poder-se-iam extinguir. Podemos concluir, pelo que vimos acerca da maneira profunda e complexa pela qual os habitantes de cada região estão mutuamente vinculados, que qualquer alteração na proporção numérica de alguns habitantes, independentemente da mudança do próprio clima, teria um efeito gravíssimo sobre muitos outros. Se a região fosse aberta nas suas fronteiras, novas formas certamente imigrariam, e isto também perturbaria seriamente as relações de alguns dos anteriores habitantes. Recorde-se como a influência de uma única árvore ou mamífero introduzidos se mostrou poderosa. Mas, no caso de uma ilha ou de uma região parcialmente rodeada por obstáculos, na qual

<< Página Anterior

pág. 89 (Capítulo 5)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Origem das Espécies
Páginas: 524
Página atual: 89

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
INTRODUÇÃO 1
CAPÍTULO I
VARIAÇÃO SOB DOMESTICAÇÃO
7
CAPÍTULO II
VARIAÇÃO EM ESTADO DE NATUREZA
49
CAPÍTULO III
LUTA PELA EXISTÊNCIA
67
CAPÍTULO IV
SELECÇÃO NATURAL
88
CAPÍTULO V
LEIS DA VARIAÇÃO
143
CAPÍTULO VI
DIFICULDADES ENFRENTADAS PELA TEORIA
184
CAPÍTULO VII
INSTINTO
223
CAPÍTULO VIII HIBRIDISMO 263
CAPÍTULO IX
SOBRE A INPERFEIÇÃO DO REGISTO GEOLÓGICO
302
CAPÍTULO X
SOBRE A SUCESSÃO GEOLÓGICA DOS SERES ORGÂNICOS
336
CAPÍTULO XI
DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA
372
CAPÍTULO XII
DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA (continuação)
411
CAPÍTULO XIII
AFINIDADES MÚTUAS DOS SERES ORGÂNICOS. MORFOLOGIA. EMBRIOLOGIA. ÓRGÂOS RUDIMENTARES.
441
CAPÍTULO XIV
RECAPITULAÇÃO E CONCLUSÃO
491
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site