Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 14: CAPÍTULO XIII
AFINIDADES MÚTUAS DOS SERES ORGÂNICOS. MORFOLOGIA. EMBRIOLOGIA. ÓRGÂOS RUDIMENTARES.

Página 441
CAPÍTULO XIII
AFINIDADES MÚTUAS DOS SERES ORGÂNICOS. MORFOLOGIA. EMBRIOLOGIA. ÓRGÂOS RUDIMENTARES.

CLASSIFICAÇÃO, grupos subordinados a grupos - Sistema natural - Regras e dificuldades na classificação, explica das pela teoria da descendência com modificação - Classificação de variedades - Uso constante da descendência na classificação - Caracteres analógicos ou adaptativos - Afinidades gerais, complexas e irradiantes - A extinção separa e define os grupos - MORFOLOGIA, entre membros da mesma classe, entre partes do mesmo indivíduo - EMBRIOLOGIA, leis da, a sua explicação pela não sobrevivência de variações numa idade precoce, sendo herdadas numa idade correspondente - ÓRGÃOS RUDIMENTARES; explicação da sua origem - Resumo.

Desde o primeiro amanhecer da vida, constata-se que todos os seres orgânicos se assemelham entre si em graus decrescentes, pelo que podem ser classificados em grupos subordinados a outros grupos. Esta classificação, evidentemente, não é arbitrária como o agrupamento das estrelas em constelações. A existência de grupos teria um significado simples, se houvesse adaptação exclusiva de um grupo para habitar a terra e do outro para habitar meios aquáticos; de um para se alimentar de carne, do outro para se alimentar de matéria vegetal; e por aí em diante; mas na natureza as coisas são muito diferentes; pois é notório quão frequentemente membros inclusive do mesmo subgrupo têm hábitos diferentes. Nos Capítulos II e IV, sobre a Variação e sobre a Selecção Natural, procurei mostrar que são as espécies com distribuição mais ampla, as mais difundidas e comuns, ou seja, as espécies dominantes pertencentes aos géneros mais vastos, aquelas que mais variam. As variedades, ou espécies incipientes, assim produzidas convertem-se, segundo creio, em espécies novas e distintas; e estas, segundo o princípio da hereditariedade, tendem a produzir outras espécies novas e dominantes.

<< Página Anterior

pág. 441 (Capítulo 14)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Origem das Espécies
Páginas: 524
Página atual: 441

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
INTRODUÇÃO 1
CAPÍTULO I
VARIAÇÃO SOB DOMESTICAÇÃO
7
CAPÍTULO II
VARIAÇÃO EM ESTADO DE NATUREZA
49
CAPÍTULO III
LUTA PELA EXISTÊNCIA
67
CAPÍTULO IV
SELECÇÃO NATURAL
88
CAPÍTULO V
LEIS DA VARIAÇÃO
143
CAPÍTULO VI
DIFICULDADES ENFRENTADAS PELA TEORIA
184
CAPÍTULO VII
INSTINTO
223
CAPÍTULO VIII HIBRIDISMO 263
CAPÍTULO IX
SOBRE A INPERFEIÇÃO DO REGISTO GEOLÓGICO
302
CAPÍTULO X
SOBRE A SUCESSÃO GEOLÓGICA DOS SERES ORGÂNICOS
336
CAPÍTULO XI
DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA
372
CAPÍTULO XII
DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA (continuação)
411
CAPÍTULO XIII
AFINIDADES MÚTUAS DOS SERES ORGÂNICOS. MORFOLOGIA. EMBRIOLOGIA. ÓRGÂOS RUDIMENTARES.
441
CAPÍTULO XIV
RECAPITULAÇÃO E CONCLUSÃO
491
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site