Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
> > > Página 128

Capítulo 10: Capítulo X

Página 128
O corpo muito branco lampejou ao sol. Mas, por um momento, ele não o olhou. Tinha os olhos grudados na face sardenta, no leve sorriso de ousadia. Ajoelhou-se diante dela e tomou-lhe as mãos.

- Já fizeste isto antes?

- Naturalmente. Centenas de vezes... quer dizer, muitíssimas vezes.

- Com membros do Partido?

- Sempre com membros do Partido.

- Do Partido Interno?

- Não, com aqueles porcos, não. Mas há uma porção que gostaria de fazer uma fezinha, se tivesse oportunidade. Não são tão santos quanto pretendem.

O coração dele deu um pincho. Muitíssimas vezes, dissera ela. Oxalá tivessem sido centenas... milhares. Tudo quanto cheirasse a corrupção o enchia sempre de ardentes esperanças. Quem poderia saber? O Partido talvez estivesse podre sob a crosta superior; seu culto da severidade é a auto negação podiam ser apenas uma máscara da iniquidade. Se pudesse infecioná-los todos com lepra ou sífilis, com que prazer o faria! Tudo que servisse para apodrecer, debilitar, minar! Ele puxou-a para baixo, fê-la ajoelhar-se à sua frente.

- Escuta. Quantos mais homens tiveste, mais te quero. Compreendes?

- Perfeitamente.

-Odeio a pureza, odeio a virtude. Não quero que exista virtude alguma, em parte nenhuma. Quero que todos sejam corruptos até os ossos.

- Então eu sirvo, querido. Sou corrupta até os ossos.

- Gostas de fazer isto? Não me refiro a mim, somente. Gostas da coisa em si?

- Adoro!

Acima de tudo, era o que ele desejava ouvir. Não somente o amor de uma pessoa, mas o instinto animal, o desejo simples, indiscriminado; era a força que faria a derrocada do Partido. Apertou-a contra o chão, esmagando campânulas. Desta vez não houve empecilho. Dentro de alguns instantes, o ofegar do peito de ambos voltou ao normal, e com um agradável torpor, caíram separados.

<< Página Anterior

pág. 128 (Capítulo 10)

Página Seguinte >>

Capa do livro 1984
Páginas: 309
Página atual: 128

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo I 1
Capítulo II 20
Capítulo III 29
Capítulo IV 38
Capítulo V 50
Capítulo VI 66
Capítulo VII 72
Capítulo VIII 85
Capítulo IX 108
Capítulo X 120
Capítulo XI 130
Capítulo XII 141
Capítulo XIII 152
Capítulo XIV 162
Capítulo XV 165
Capítulo XVI 173
Capítulo XVII 185
Capítulo XVIII 235
Capítulo XIX 249
Capítulo XX 270
Capítulo XXI 284
Capítulo XXII 293
Capítulo XXIII 298
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site