Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
> > > Página 246

Capítulo 18: Capítulo XVIII

Página 246
Escreve e eu assino... qualquer coisa! Mas não a sala 101!

- Sala 101 - repetiu o oficial.

A cara do homem, já muito pálido, ficou duma cor que Winston não acreditava possível. Era um tom verde, positivo, inconfundível.

- Faz comigo o que quiseres! - urrou. - Há semanas que venho passando fome. Deixa-me morrer de fome. Fuzila-me, enforca-me. Condena-me a vinte e cinco anos. Alguém mais que queres que eu denuncie? Dizei o nome e eu confesso imediatamente. Não me importa quem seja, nem o que faças com ele. Tenho mulher e três filhos. O mais velho ainda não tem seis anos. Podes pegar todos eles e degolá-los na minha frente, que eu olho sem virar a cabeça. Mas a sala 101, não!

- Sala 101.

O homem, frenético, olhou em torno, examinando os outros presos, como se acreditasse poder oferecer outra vítima no seu lugar. Seus olhos pousaram na face ensanguentada do homem sem queixo. Estendeu o braço esquelético.

- É aquele que deves levar, e não eu! - gritou. -Não ouviste o que ele disse depois que o esmurraram. Dá-me uma oportunidade e eu te contarei tudo, palavra por palavra. É ele que é contra o Partido, eu não! - Os guardas deram um passo à frente. A voz do homem elevou-se a um urro.

- Não ouviste o que ele disse! - repetiu. - A teletela não estava funcionando direito. É ele que queres. Leva-o, não a mim!

Os dois guardas robustos iam tomá-lo pelos braços, mas nesse momento exato ele se atirou ao chão da cela e agarrou-se a uma das pernas de ferro que amparava o banco. Pôs-se a uivar, como um animal. Os guardas seguraram-no, para puxá-lo dali, mas ele resistiu com força espantosa. Durante uns vinte segundos, talvez, os dois atletas forcejaram. Os presos continuavam sentados, imóveis, olhando para frente.

<< Página Anterior

pág. 246 (Capítulo 18)

Página Seguinte >>

Capa do livro 1984
Páginas: 309
Página atual: 246

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo I 1
Capítulo II 20
Capítulo III 29
Capítulo IV 38
Capítulo V 50
Capítulo VI 66
Capítulo VII 72
Capítulo VIII 85
Capítulo IX 108
Capítulo X 120
Capítulo XI 130
Capítulo XII 141
Capítulo XIII 152
Capítulo XIV 162
Capítulo XV 165
Capítulo XVI 173
Capítulo XVII 185
Capítulo XVIII 235
Capítulo XIX 249
Capítulo XX 270
Capítulo XXI 284
Capítulo XXII 293
Capítulo XXIII 298
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site