Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 13: CAPÍTULO 13

Página 117
CAPÍTULO 13

Depois da partida de Fernando para o Porto, Rosa, que até aí já vivia uma vida monótona e retirada, tornara-se depois disso mais sombria e reclusa.

Saía só em casos de muita necessidade, respondia com seriedade, e às vezes até com mau modo, aos gracejos que os rapazes da aldeia lhe dirigiam quando a encontravam, e, para evitar os olhares curiosos dos que passavam, mudara o seu lugar de trabalho para uma outra janela que dava para o quintal.

Aos domingos de tarde, como era costume, os rapazes e raparigas do lugar reuniam-se no adro, quase em frente da sua casa, e, aos sons de uma viola, passavam horas alegres em descantes e bailados, divertimentos outrora tão favoritos da travessa rapariga e nos quais tomava sempre a mais ativa parte.

Agora, porém, sucedia o contrário. Ou encostada ao peitoril da janela, ou sentada na soleira da porta, Rosa olhava tristemente para aqueles folguedos, e, se algum jovem vinha convidá-la para tomar parte no passatempo, respondia simplesmente:

Desculpe, mas não posso: a minha doença não me permite, como dantes, brincar como vós outros.

Se algumas raparigas iam, em alegre magote, reunir-se-lhes em volta para conversarem sobre os seus namoros, sobre as suas conquistas ou aspirações, Rosa tomava então parte nessas confidências, mas fazia-se sempre notar pelos conselhos que dava às menos experientes e pelas sentenças que ministrava, com toda a seriedade, às mais experimentadas.

Rosa, finalmente, já não era a rapariga folgazã e prazenteira de outro tempo. Com o rosado das faces fugira-lhe a alegria do coração.

Toda a gente da aldeia acreditava que a pobre rapariga padecia e padecia muito, mas ninguém tinha sabido ainda qual era o género de moléstia que a fazia definhar.

<< Página Anterior

pág. 117 (Capítulo 13)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Rosa do Adro
Páginas: 202
Página atual: 117

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
CAPÍTULO 1 1
CAPÍTULO 2 6
CAPÍTULO 3 9
CAPÍTULO 4 12
CAPÍTULO 5 20
CAPÍTULO 6 31
CAPÍTULO 7 45
CAPÍTULO 8 59
CAPÍTULO 9 67
CAPÍTULO 10 84
CAPÍTULO 11 91
CAPÍTULO 12 97
CAPÍTULO 13 117
CAPÍTULO 15 140
CAPÍTULO 16 157
CAPÍTULO 17 168
CAPÍTULO 18 181
CAPÍTULO 19 193
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site