Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 5: CAPÍTULO 5

Página 20
CAPÍTULO 5

Decorreram seis ou sete dias depois dos sucessos que deixamos narrados.

Durante este espaço de tempo nada se passou de notável, a não ser o completo silêncio que ambos os jovens se tinham guardado sobre os sentimentos das suas almas.

Rosa, desde a última tarde em que Fernando lhe patenteara o seu amor, evitava toda a ocasião de se achar a sós com ele e fugia arteiramente ao mais simples galanteio que tentava dirigir-lhe.

Nunca mais fora descansar, ao anoitecer, para junto da porta, e, de tarde, quando o esbelto caçador passava alguns minutos em frente da sua janela, a conversa era sempre de uma frieza e seriedade bem patentes.

Quem os tivesse observado nalguns desses curtos diálogos, diria que entre um e outro não existia a menor afeição.

E, contudo, Rosa, apesar da sua simulada indiferença, amava Fernando, e amava-o com um amor excessivo, mas concentrado. E a prova mais manifesta desse amor era que a pobre rapariga, desde muito, vivia triste e pensativa, como se um pesar oculto lhe trouxesse enlutado o coração.

A sua voz alegre e sonora já não ecoava tantas vezes na imensidão daqueles prados; e, se por um momento esse canto ainda se fazia ouvir, era sempre monótono, triste e repassado de amargura. O sorriso dos lábios, a alegria que transpirava de todos os seus movimentos mudara-se em dolorosa languidez e inação.

A Fernando, porém, não passara despercebida aquela repentina mudança, e, como perfeito conhecedor do coração feminino, chegara quase a convencer-se de que Rosa efetivamente o amava em extremo, mas que por motivos que ele ainda não pudera alcançar, procurava ocultar-lhe esse amor à custa dos maiores sacrifícios.

Em vista disto, o jovem não desesperou do seu intento, e, agora mais do que nunca, procurava momento oportuno de poder arrancar-lhe do peito esse segredo que ela tanto se obstinava em confessar.

<< Página Anterior

pág. 20 (Capítulo 5)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Rosa do Adro
Páginas: 202
Página atual: 20

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
CAPÍTULO 1 1
CAPÍTULO 2 6
CAPÍTULO 3 9
CAPÍTULO 4 12
CAPÍTULO 5 20
CAPÍTULO 6 31
CAPÍTULO 7 45
CAPÍTULO 8 59
CAPÍTULO 9 67
CAPÍTULO 10 84
CAPÍTULO 11 91
CAPÍTULO 12 97
CAPÍTULO 13 117
CAPÍTULO 15 140
CAPÍTULO 16 157
CAPÍTULO 17 168
CAPÍTULO 18 181
CAPÍTULO 19 193
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site