Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 15: CAPÍTULO 16

Página 157
CAPÍTULO 16

Na noite seguinte ao dia em que Fernando esteve em casa da baronesa e onde se tratou dos assuntos que deixamos relatados, por volta da meia-noite duas fortes marteladas soaram na porta da herdade do Capitão.

Como era de prever, este sucesso surpreendeu toda a gente da casa, e alguns criados, que se levantaram à pressa, vieram indagar da causa de tal motim.

Ao abrirem o portão, depararam com um homem, parecendo já de bastante idade pelo estado de curvação em que permanecia, embuçado num farto capote de saragoça, que lhe ocultava a maior parte do rosto, já quase invisível pela escuridão da noite.

- O filho do Sr. Capitão está em casa? - perguntou o velho com voz meio trémula.

- Está, sim, senhor - respondeu um dos criados - queria-lhe alguma coisa?

- Faça-me o favor de lhe dizer que está aqui um pobre velho, que lhe vem pedir para ver a sua mulher, perigosamente enferma.

- Mas a esta hora, e em tal noite?!

- Oh! não se demore... Diga-lhe também que já fui a casa do outro cirurgião, mas que ele se recusou a vir ver a pobre doente, e que, em vista disto, apelava para o bom coração do Sr. Fernando.

- Mas, meu amigo, isto não são horas de ir ver doentes; além disso, o filho do nosso amo está talvez a dormir, e ir agora acordá-lo...

- Não será necessário esse trabalho - exclamou Fernando, aparecendo subitamente junto do grupo. - É de algum doente que se trata, não é verdade?

- É sim, meu bom senhor - respondeu o velho, curvando-se mais - , minha pobre mulher foi há pouco atacada por um triste acidente, ou coisa que o valha, e jaz sem sentidos há já bastante tempo. Fui procurar o Dr. Resende, mas ele negou-se a ir vê-la. Como soube que o senhor tinha vindo há dias de concluir os seus estudos, lembrei-me de recorrer ao seu bom coração, e é O que venho fazer.

<< Página Anterior

pág. 157 (Capítulo 15)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Rosa do Adro
Páginas: 202
Página atual: 157

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
CAPÍTULO 1 1
CAPÍTULO 2 6
CAPÍTULO 3 9
CAPÍTULO 4 12
CAPÍTULO 5 20
CAPÍTULO 6 31
CAPÍTULO 7 45
CAPÍTULO 8 59
CAPÍTULO 9 67
CAPÍTULO 10 84
CAPÍTULO 11 91
CAPÍTULO 12 97
CAPÍTULO 13 117
CAPÍTULO 15 140
CAPÍTULO 16 157
CAPÍTULO 17 168
CAPÍTULO 18 181
CAPÍTULO 19 193
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site