Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 16: CAPÍTULO 17

Página 168
CAPÍTULO 17

Dois dias depois dos sucessos que ficam narrados, por volta das 10 horas da manhã, Rosa, encostada ao peitoril da pequena janela do seu quarto, permanecia triste e imóvel, envolvendo num só olhar a alegre natureza que se estendia ao longe, então revestida das suas mil galas e abrilhantada pelos raios de um belo sol de Primavera.

A pobre rapariga, a quem os estragos da doença e as mortificações do espírito tinham colocado num estado de dolorosa prostração, parecia dirigir nos seus rápidos olhares os últimos adeuses àquele belo cantinho do mundo, como se adivinhasse os poucos dias que lhe restavam para o contemplar.

Durava havia já muito esta muda expectação, quando um pequeno ruído veio repentinamente desviar-lhe as atenções dos objetos que fitava, e, voltando o rosto, viu entrar no seu aposento um criado da herdade do Capitão.

Esta repentina aparição produziu na desventurada jovem o efeito de um choque elétrico.

Sem indagar ainda a causa que ali o levava, sentiu-se desfalecer como se aos ouvidos lhe ressoasse a triste notícia de uma desgraça que a precipitaria mais depressa no túmulo da morte daquele a quem amava ainda com todas as veras da sua alma.

O seu espanto, porém, redobrou, quando o rapaz, dirigindo-se-lhe, se expressou nestes termos:

- Rosa, o filho do meu amo, o Sr. Fernando, manda-me aqui para pedir-lhe que vá imediatamente falar-lhe.

- Como?! - exclamou a rapariga, tremendo de comoção - Pois ele ainda vive?!...

- Se ainda vive?!...

- Oh! perdoe-me, Francisco, mas, quando o vi entrar, foi a primeira lembrança que me ocorreu... Têm-me dito que está tão mal!...

- É verdade, é, mas, por ora, graças a Deus, ainda não perdemos as esperanças... Mas não percamos tempo com mais explicações, e prepare-se para partirmos.

<< Página Anterior

pág. 168 (Capítulo 16)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Rosa do Adro
Páginas: 202
Página atual: 168

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
CAPÍTULO 1 1
CAPÍTULO 2 6
CAPÍTULO 3 9
CAPÍTULO 4 12
CAPÍTULO 5 20
CAPÍTULO 6 31
CAPÍTULO 7 45
CAPÍTULO 8 59
CAPÍTULO 9 67
CAPÍTULO 10 84
CAPÍTULO 11 91
CAPÍTULO 12 97
CAPÍTULO 13 117
CAPÍTULO 15 140
CAPÍTULO 16 157
CAPÍTULO 17 168
CAPÍTULO 18 181
CAPÍTULO 19 193
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site