Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 7: CAPÍTULO 7

Página 45
CAPÍTULO 7

São decorridos perto de quinze dias, depois das cenas que deixamos descritas.

Durante esse tempo nada se passou de notável, a não ser os progressos que fazia de dia para dia o amor dos dois jovens.

Dir-se-ia que já não havia forças humanas capazes de separar aqueles dois corações tão cheios de douradas esperanças.

Fernando não deixara um só dia de ir visitar a linda aldeã; além disso, já não era só à porta da habitação e debaixo da janela que faziam as suas mútuas promessas.

Rosa, pretextando ir a casa desta ou daquela amiga, avisava antecipadamente Fernando, e por isso não era raro encontrá-los ou no meio de um atalho mais escuso, atrás de uma sebe, ou ainda sentados junto ao tronco de uma árvore, confiando um ao outro o segredo íntimo dos seus anelos, dos seus receios e das suas dúvidas, objetos que fazem sempre o assunto principal das conversas de dois amantes.

Estes amiudados encontros e misteriosas conversas não tinham, porém, passado despercebidos a meia dúzia de vistas curiosas e de espíritos chocarreiros, nascendo daí umas certas conversas em voz baixa, que principalmente as mulheres trocavam quando à noite se juntavam às portas umas das outras ou se encontravam casualmente.

O que sem dúvida já de há muito se dizia, em voz alta e sem rebuço, era que a Rosa namoriscava o filho do Capitão, como chamavam a Fernando.

As relações dos dois jovens eram, pois, já sabidas por toda a aldeia e isso dava motivo a ditos e comentários mais ou menos maliciosos, mas quase sempre malévolos.

Os invejosos e maldizentes, falando dos amores de Rosa, concluíam sempre as suas conversas com sentenças como esta:

- Chegou ao que queria. Os rapazes da lavoura já lhe não serviam: agora porém, deve estar satisfeita: um morgado rico, e além disso cirurgião, não era coisa para desprezar.

<< Página Anterior

pág. 45 (Capítulo 7)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Rosa do Adro
Páginas: 202
Página atual: 45

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
CAPÍTULO 1 1
CAPÍTULO 2 6
CAPÍTULO 3 9
CAPÍTULO 4 12
CAPÍTULO 5 20
CAPÍTULO 6 31
CAPÍTULO 7 45
CAPÍTULO 8 59
CAPÍTULO 9 67
CAPÍTULO 10 84
CAPÍTULO 11 91
CAPÍTULO 12 97
CAPÍTULO 13 117
CAPÍTULO 15 140
CAPÍTULO 16 157
CAPÍTULO 17 168
CAPÍTULO 18 181
CAPÍTULO 19 193
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site