Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 4: CAPÍTULO 4

Página 12
CAPÍTULO 4

Não sei o que se passou no coração de Fernando durante o resto daquele dia; o que é certo é que, no dia seguinte, logo que acabou de jantar, subiu apressadamente ao seu quarto, substituiu a roupa ligeira que trazia por uma própria de caça, lançou mão de uma bela espingarda de dois canos, que no dia antecedente se entretivera a limpar e preparar, desceu a um quarto onde estava a matilha, chamou dois cães e pôs-se a caminho em direção à igreja.

Fernando ia visivelmente preocupado.

Com a cabeça baixa e os olhos no chão, parecia que um pensamento qualquer lhe dominava todas as faculdades mentais, e, se alguma vez levantava distraidamente a vista, era só para medir a distância que o separava ainda daquela torre que alvejava ao longe entre a folhagem do arvoredo, como se fosse o ponto principal da sua excursão.

Assim caminhou durante alguns minutos, até que, achando-se já próximo da igreja, parou repentinamente, como se uma força oculta lhe detivesse os passos.

É que aos seus ouvidos tinham chegado as harmonias de uma voz fresca e sonora, cujas vibrações ecoavam suavemente na sua alma, a ajuizar por um sorriso alegre que lhe deslizou nas faces.

Fernando deteve-se a escutar, como enlevado, aquela voz, que cantava:

Quem me dera amar um dia,

Se eu tivesse um peito amigo

Ter amor, ter afeição,

Que me desse um tal amor...

Ser escrava, dar a vida

Eu, então, igual afeto

Por um terno coração.

Em seu peito ia depor.

O canto cessou, e Fernando, continuando a sorrir-se, exclamou:

- Vá, sejamos também poeta.

E, começando de novo a caminhar, foi cantando esta resposta àquelas duas quadras:

Se tu queres amor. ó bela.

Não te esquives, não me negues

Dou-te amor, amor bem puro;

Esse amor, almo prazer;

Se tu juras ser só minha,

Dá-me a vida; neste mundo

Será belo o teu futuro.

<< Página Anterior

pág. 12 (Capítulo 4)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Rosa do Adro
Páginas: 202
Página atual: 12

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
CAPÍTULO 1 1
CAPÍTULO 2 6
CAPÍTULO 3 9
CAPÍTULO 4 12
CAPÍTULO 5 20
CAPÍTULO 6 31
CAPÍTULO 7 45
CAPÍTULO 8 59
CAPÍTULO 9 67
CAPÍTULO 10 84
CAPÍTULO 11 91
CAPÍTULO 12 97
CAPÍTULO 13 117
CAPÍTULO 15 140
CAPÍTULO 16 157
CAPÍTULO 17 168
CAPÍTULO 18 181
CAPÍTULO 19 193
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site