Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 12: CAPÍTULO 12

Página 97
CAPÍTULO 12

A baronesa de F... , viúva de um brigadeiro que por mais de uma vez derramara o seu sangue no campo da batalha em defesa da Pátria, era uma senhora de perto de sessenta anos, de cabelos um pouco nevados, rosto sereno e franco, boca risonha, transpirando sempre da sua fisionomia um ar de satisfação e de bondade que bem patenteava os dotes da sua boa alma.

Casara aos vinte e cinco anos com o barão F... , então cadete no exército e filho de uma nobre família da província, da qual, como filho único, herdara uma boa fortuna, e desse consórcio houve três filhos, dois dos quais morreram em tenra idade, ficando apenas o mais novo deles, que era uma galante menina chamada Deolinda.

Alguns meses depois do nascimento da criança, a baronesa recebeu um dia a triste notícia de que o seu marido, então brigadeiro, morrera atravessado por uma bala inimiga, legando-lhe, além dos seus muitos haveres, o brasão ilustre dos seus antepassados, dos quais sua filha era única vergôntea.

Desde logo a baronesa foi fixar a sua residência na aldeia onde encontrámos a Rosa do Adro, e aí viveu durante alguns anos num a propriedade sua, datando dessa época as relações da filha da baronesa com Rosa, depois do que regressaram as duas senhoras ao Porto, onde se estabeleceram definitivamente.

A baronesa, no Porto, vivia num a elegante habitação, um pouco afastada do centro da cidade, e por isso desligada do grande mundo, não porque os seus haveres não lhe permitissem ombrear com as principais famílias, mas porque, votada de há muito a uma existência quase monótona e sem fausto, aprazia-lhe mais aquela solidão do que o bulício dos salões.

Sua filha Deolinda, então já senhora dos seus vinte e três anos, era uma dessas compleições delicadas, franzinas, cheias de amor e suavidade.

<< Página Anterior

pág. 97 (Capítulo 12)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Rosa do Adro
Páginas: 202
Página atual: 97

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
CAPÍTULO 1 1
CAPÍTULO 2 6
CAPÍTULO 3 9
CAPÍTULO 4 12
CAPÍTULO 5 20
CAPÍTULO 6 31
CAPÍTULO 7 45
CAPÍTULO 8 59
CAPÍTULO 9 67
CAPÍTULO 10 84
CAPÍTULO 11 91
CAPÍTULO 12 97
CAPÍTULO 13 117
CAPÍTULO 15 140
CAPÍTULO 16 157
CAPÍTULO 17 168
CAPÍTULO 18 181
CAPÍTULO 19 193
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site