Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 11: CAPÍTULO 11

Página 91
CAPÍTULO 11

Estava quase terminado o tempo das férias escolares, e chegara o dia em que o jovem estudante devia regressar ao Porto a fim de concluir a sua formatura.

Era, pois obrigado a deixar por alguns meses o lar doméstico, aquelas campinas, e sobretudo Rosa, a quem prometera a sua mão.

Devia ser bem triste aquela despedida!

E Rosa? Que sucessos se deram durante o tempo que mediou entre a horrível noite de tempestade e a hora do apartamento? perguntar-me-ia decerto o leitor. Eu lhe conto.

Rosa, aquela encantadora rapariga, de olhar vivo e penetrante, de faces rosadas, e cujos lábios, sempre entreabertos por um sorriso provocador, pareciam a cada passo dizer quanta felicidade lhe ia na alma, já não era a mesma de outrora!

Dir-se-ia, ao vê-la agora, que um pesar bem profundo lhe anuviara para sempre a existência, e que, com a cor de rosa que se lhe esmaiara nas faces, tinha também fugido a alegria do coração.

A travessa costureira vivia agora como escondida das vistas do mundo.

Do rosto fugira-lhe aquele ar de satisfação, assim como o carminado da cútis; os olhos, outrora brilhantes, tornaram-se de uma languidez e insensibilidade espantosa, e os lábios nacarados, que pareciam a cada instante pedir beijos, estavam agora secos e desbotados como as pétalas de uma rosa crestada pelo sol; finalmente, aqueles louros cabelos, que ela caprichava em trazer sempre nédios e penteados, viam-se em desalinho e eriçados pela falta de cuidado. No próprio vestuário se notava um certo desleixo que nunca se lhe vira; já se não adornava com os vestidos e corpetes garridos e alegres, que dantes desafiavam a atenção das outras raparigas, e uma saia escura e um lenço da mesma cor vieram substituir aqueles antigos enfeites que tanto faziam sobressair a sua beleza.

<< Página Anterior

pág. 91 (Capítulo 11)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Rosa do Adro
Páginas: 202
Página atual: 91

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
CAPÍTULO 1 1
CAPÍTULO 2 6
CAPÍTULO 3 9
CAPÍTULO 4 12
CAPÍTULO 5 20
CAPÍTULO 6 31
CAPÍTULO 7 45
CAPÍTULO 8 59
CAPÍTULO 9 67
CAPÍTULO 10 84
CAPÍTULO 11 91
CAPÍTULO 12 97
CAPÍTULO 13 117
CAPÍTULO 15 140
CAPÍTULO 16 157
CAPÍTULO 17 168
CAPÍTULO 18 181
CAPÍTULO 19 193
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site