Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 14: CAPÍTULO 15

Página 140
CAPÍTULO 15

A chegada da baronesa e de Fernando foi um verdadeiro sucesso para a aldeia.

A mãe de Fernando, tendo no dia antecedente recebido as felizes notícias de tudo quanto se passara, fora imediatamente desabafar com alguns vizinhos as alegrias que lhe transbordavam do coração, e dera-lhes parte não só do casamento do seu filho, mas também da próxima chegada da baronesa, que vinha habitar outra vez nas suas ricas propriedades.

Poucas horas depois, toda a aldeia estava sabedora desses sucessos, e desde logo começaram os preparativos para uma brilhante receção aos recém-vindos, não só pelas simpatias que estes inspiravam a toda a povoação, como pessoas gradas, mas também porque ainda estavam bem vivos na lembrança de todos os actos de caridade e de beneficência que a baronesa praticara durante o tempo que ali vivera.

Foi em consequência disto que os recém-chegados, ao entrarem na aldeia, depararam com uma multidão de povo que os esperava com curiosidade, e à frente da qual estavam o pároco da freguesia, o regedor, o mestre-escola, o boticário e muitas outras pessoas consideradas da localidade. Dir-se-ia, pela agitação e bulício que se notava por toda a parte, que chegara à povoação o bispo ou pessoa real.

Fernando, ao atentar na multidão, pareceu procurar no meio dela alguma pessoa, que não viu.

Efetivamente, a pessoa que ele procurava, a Rosa do Adro, não estava ali, e talvez fosse a única que não viera partilhar da geral alegria e curiosidade.

A pobre rapariga, que nos últimos dias tinha sentido recrescer-lhe com uma espantosa celeridade esse terrível padecimento a que a medicina deu o nome de tísica, estava já em tal estado de prostração que nem de casa podia sair.

Entre a multidão, porém, Fernando encontrara, em vez do olhar meigo da sua antiga amante, uns outros olhos, brilhantes e sombrios, que o fitavam sinistramente e que o fizeram estremecer.

<< Página Anterior

pág. 140 (Capítulo 14)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Rosa do Adro
Páginas: 202
Página atual: 140

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
CAPÍTULO 1 1
CAPÍTULO 2 6
CAPÍTULO 3 9
CAPÍTULO 4 12
CAPÍTULO 5 20
CAPÍTULO 6 31
CAPÍTULO 7 45
CAPÍTULO 8 59
CAPÍTULO 9 67
CAPÍTULO 10 84
CAPÍTULO 11 91
CAPÍTULO 12 97
CAPÍTULO 13 117
CAPÍTULO 15 140
CAPÍTULO 16 157
CAPÍTULO 17 168
CAPÍTULO 18 181
CAPÍTULO 19 193
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site