Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 18: CAPÍTULO 19

Página 193
CAPÍTULO 19

São decorridos cerca de trinta dias depois das cenas que deixamos descritas.

No mesmo quarto onde havia perto de um mês se finara o esposo de Rosa e sobre o mesmo leito onde o seu corpo repousara por alguns dias, dava-se quase uma cena idêntica àquela que então ali se passou.

Rosa, a bela e alegre rapariga de outrora, o enlevo dos rapazes da aldeia, jazia como inanimada sobre aquele mesmo leito onde seu esposo exalara o último suspiro.

Conhecia-se que havia ainda alguma vida naquele coração, morto de há muito para as alegrias do mundo, pelo arfar compassado do peito e pelo olhar já amortecido.

O rosto, esse, nem o colorido afogueado da febre o animava.

Próximo do leito achavam-se postadas, guardando religioso silêncio, duas mulheres de idades bem diferentes: uma, ainda nova, era Deolinda, a filha da baronesa, que, depois da morte de Fernando, instara com a sua mãe para ali ficarem mais algum tempo; a outra, já de avançada idade, era a pobre avó da doente.

Ambos aqueles entes, desde que Rosa piorara, o que havia sucedido três dias antes, não se tinham separado do leito sequer um instante, esforçando-se cada qual em lhe velar os últimos momentos da existência.

Rosa, desde a morte do marido, não deixara, enquanto pudera, de ir todos os dias rezar junto à sua campa, e derramar sobre ela algumas lágrimas, conforme a promessa que lhe fizera.

Havia, porém, três dias, que não pudera cumprir aquele seu derradeiro desejo, porque o estado da sua saúde chegara ao último extremo.

A pobre rapariga esperava com resignação de uma mártir a sua hora suprema, e do íntimo da alma só pedia a Deus que lhe abreviasse os sofrimentos, para mais depressa se ir unir àquele a quem tanto amara no mundo.

Um

<< Página Anterior

pág. 193 (Capítulo 18)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Rosa do Adro
Páginas: 202
Página atual: 193

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
CAPÍTULO 1 1
CAPÍTULO 2 6
CAPÍTULO 3 9
CAPÍTULO 4 12
CAPÍTULO 5 20
CAPÍTULO 6 31
CAPÍTULO 7 45
CAPÍTULO 8 59
CAPÍTULO 9 67
CAPÍTULO 10 84
CAPÍTULO 11 91
CAPÍTULO 12 97
CAPÍTULO 13 117
CAPÍTULO 15 140
CAPÍTULO 16 157
CAPÍTULO 17 168
CAPÍTULO 18 181
CAPÍTULO 19 193
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site