Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 8: CAPÍTULO 8

Página 59
CAPÍTULO 8

No dia seguinte, por volta das onze horas e meia da noite, a herdade do Capitão estava imersa no mais fundo silêncio.

E, a não ser o reflexo de uma luz que brilhava nas vidraças de um dos quartos do lado norte, dir-se-ia que tudo ali repousava.

A janela que assim resplandecia no meio das densas trevas que cercavam o resto da casa era a do quarto de Fernando, e o vulto deste, destacando-se de vez em quando no meio da claridade, denotava que o jovem ainda se não havia deitado.

Penetremos no quarto.

Algumas cadeiras antigas, um leito de pau-preto da mesma idade dos outros móveis, uma meia-cómoda com toucador, duas pequenas mesas, sobre uma das quais se via um relógio, uma outra colocada no meio do aposento, cheia de livros em desordem, eis a decoração singela daquele quarto, não mencionando dois ou três cabides pregados na parede, vergando sob o peso de alguma roupa.

Fernando, que havia algum tempo passeava de um para o outro lado do aposento, sentara-se afinal junto da mesa dos livros, e, pegando num deles, abriu-o ao acaso e permaneceu algum tempo com os olhos fitos nas duas páginas que tinha diante de si, parecendo ler. De vez em quando, porém, olhava com impaciência para os ponteiros do relógio e depois dir-se-ia continuar a leitura interrompida.

Estes movimentos contínuos, do relógio para as páginas do livro, repetiram-se por muitas vezes num curto espaço de tempo, até que, afinal, a campainha soou doze badaladas. Fernando, que parecia esperar com ansiedade aquela hora, estremeceu ao ouvir os primeiros sons, e, levantando-se precipitadamente, dirigiu-se a um cabide e tirou dele um capote, com o qual se cobriu, exclamando:

- Ora até que enfim! Parecia que não chegava hoje a meia-noite e que o Diabo se entretinha a reter os ponteiros!.

<< Página Anterior

pág. 59 (Capítulo 8)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Rosa do Adro
Páginas: 202
Página atual: 59

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
CAPÍTULO 1 1
CAPÍTULO 2 6
CAPÍTULO 3 9
CAPÍTULO 4 12
CAPÍTULO 5 20
CAPÍTULO 6 31
CAPÍTULO 7 45
CAPÍTULO 8 59
CAPÍTULO 9 67
CAPÍTULO 10 84
CAPÍTULO 11 91
CAPÍTULO 12 97
CAPÍTULO 13 117
CAPÍTULO 15 140
CAPÍTULO 16 157
CAPÍTULO 17 168
CAPÍTULO 18 181
CAPÍTULO 19 193
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site