Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 13: CAPÍTULO XII

Página 113
CAPÍTULO XII

Depois, bem sabem, senhores, como aquele padre rocha despenhou abruptamente o desfecho da farsa, pensando que vingava a moral e punia com degredo o celerado que infamava o sacratíssimo nome de el-rei D. Miguel. No trânsito para a relação, a meia légua, na estrada do porto, o veríssimo, com delicadas maneiras e o seu aspeto venerável, obteve que o sargento da escolta lhe permitisse alugar a mula de um almocreve que seguia a mesma direção. Cavalgou na albarda da mula arreatada com chocalho, sem estribos; empunhou a corda do cabresto, e ladeado de doze praças do 8, entrou ao cair da tarde em Famalicão.

O torres de castelões, o administrador, legitimista no fundo, bom lavrador, mandou-lhe cama para a cadeia e permitiu-lhe que ceasse com uni amigo que o seguira de longe. Era o nunes, o Pílades das horas certas e incertas. Orestes estava desanimado; queixava-se das fantasias do outro, considerava-se perdido.

- Pobre Libânia! - deplorava - quando ela souber que eu estou na relação!

Como tinha alguma prática do foro criminal, o nunes consolava-o: que não havia matéria para pronúncia; e, quando fosse pronunciado, a relação o despronunciaria.

- Eu é que vou ser o teu procurador, se me não prenderem - acrescentava, muito confiado na lei e na sua atividade. - quanto à fantasia do conto de réis, já não falta tudo, porque tens as cem peças das botelhas. Se te deixam ser rei mais um dia ou dois, tinhas nesta santa hora 3750$000 réis.

- Tu gracejas e eu vou esperar na cadeia uma sentença de degredo - atalhou o veríssimo, naquela estranha situação, nunca experimentada, de ouvir os passes da sentinela rentes com a grade do seu quarto.

Às oito da noite, fechara-se a porta da cadeia, e nunes saíra triste, com um pungitivo arrependimento de meter o amigo naquela rascada.

<< Página Anterior

pág. 113 (Capítulo 13)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Brazileira de Prazins
Páginas: 202
Página atual: 113

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
INTRODUÇÃO 1
CAPÍTULO I 9
CAPÍTULO II 15
CAPÍTULO III 21
CAPÍTULO IV 32
CAPÍTULO V 46
CAPÍTULO VI 52
CAPÍTULO VII 59
CAPÍTULO VIII 67
CAPÍTULO IX 74
CAPÍTULO X 84
CAPÍTULO XI 101
CAPÍTULO XII 113
CAPÍTULO XIII 121
CAPÍTULO XIV 130
CAPÍTULO XV 141
CAPÍTULO XVI 157
CAPÍTULO XVII 166
CAPÍTULO XVIII 173
CAPÍTULO XIX 182
CAPÍTULO XX 190
CONCLUSÃO 196
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site