Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 10: CAPÍTULO IX

Página 74
CAPÍTULO IX

Naquele tempo (1845), no porto, rua de S. Sebastião, n° 1, morava o padre luís de sousa couto (*), paleógrado da misericórdia. Representava sessenta e tantos anos, uma nutrição doentia, pesado, com os pés túrgidos da gota, cheios de nodosidades.

[(*) O autor teve relações muito saudosas com este venerando sacerdote, que em 1851 residia num antigo casarão da rua de santo António, que depois se transformou em casa de banhos. Por esse tempo, se congregavam ali os homens eminentes, por inteligência e haveres, do partido realista. Neste ano, padre luís de sousa passava os seus dias rodeado de pergaminhos, imobilizado numa poltrona, gemendo as dores da gota. Morreu muito pobre e muito desamparado.]

Era jovial. Tinha um sorriso lhano, conversava morosamente pausado com admirável correção; deixava-se interromper sem impaciências e não interrompia nunca os desatinos, maçadas, e até as tolices de quem quer que fosse. E ouvia muitas. Este padre obscurecido na sua paleografia que lhe dava oito tostões por dia, naquela asquerosa alfurja chamada rua de S. Sebastião, com o aljube à esquerda e as imundícies da pena ventosa à direita, era o impulsor, a alma, o cérebro do gigante miguelista nas províncias do norte. A junta de lisboa consultava-o. Ribeiro saraiva enviava-lhe de londres os elementos para os seus cálculos, pedia-lhe conselhos; e D. Miguel escrevia-lhe frequentemente. Dizia-se que o príncipe proscrito o elegera bispo ou patriarca de lisboa - não me recordo qual era a mitra.

A sua presença venerável impunha sem artifício; uma grande bondade obsequiadora; não proferia palavra ofensiva dos seus adversários políticos; não aceitava donativos dos seus correligionários; vivia com severa parcimónia dos seus 800 réis havidos da santa casa, e morreria de penúria antes de pedir ao governo liberal a paga dos seus lavores ilustrados, corretíssimos de intérprete de velhos e quase indecifráveis códices.

<< Página Anterior

pág. 74 (Capítulo 10)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Brazileira de Prazins
Páginas: 202
Página atual: 74

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
INTRODUÇÃO 1
CAPÍTULO I 9
CAPÍTULO II 15
CAPÍTULO III 21
CAPÍTULO IV 32
CAPÍTULO V 46
CAPÍTULO VI 52
CAPÍTULO VII 59
CAPÍTULO VIII 67
CAPÍTULO IX 74
CAPÍTULO X 84
CAPÍTULO XI 101
CAPÍTULO XII 113
CAPÍTULO XIII 121
CAPÍTULO XIV 130
CAPÍTULO XV 141
CAPÍTULO XVI 157
CAPÍTULO XVII 166
CAPÍTULO XVIII 173
CAPÍTULO XIX 182
CAPÍTULO XX 190
CONCLUSÃO 196
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site