Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 19: CAPÍTULO XVIII

Página 173
CAPÍTULO XVIII

Chegaram por este tempo, vindos das terras de basto a Requião, os tão almejados missionários, interrompidos no seu estéril apostolado pela revolução de maria da fonte. Marta ouviu a notícia com alvoroço, e disse que queria seguir os sermões - que precisava de salvar a sua alma. O Feliciano viera um pouco estragado de Pernambuco a respeito de religião; mas respeitava as crenças alheias, e não contrariava as devoções da sobrinha. O padre roque era de parecer que se não deixasse marta entrar muito pela mística; aconselhava o marido que fosse viajar com a mulher, que a tirasse daquela terra, porque as suas enfermidades não podiam curá-las os sermões nem as hóstias. O egresso conhecia a farmácia do varatojano de Borba da montanha, e sabia que a primeira receita de frei João era exorcismá-la como demoníaca.

- Dão cabo dela, vocês verão, dão cabo dela - dizia o padre-mestre.

Eram quatro os missionários que assentaram o vestíbulo do paraíso em Requião.

O padre José da fraga, ainda novo, bem composto e limpo nas suas vestes sacerdotais, grave e rosto inteligente. Tinha-se ordenado em brancanes com o propósito de ir propagar o cristianismo na china; depois, interesses e rogos de família determinaram-no a ficar na pátria, sem abrir mão da vocação apostólica. Lera e percebera raulica, lacordaire, e imitava o segundo com bastante engenho. O padre Osório dizia-lhe que guardasse as suas pérolas para outro auditório menos suíno. E, de feito, as mulheres, quando de madrugada o viam no púlpito, aconchegavam-se umas das outras para comodamente tosquenejarem o seu sono da manhã; e os homens diziam que não o chamava deus por aquele caminho - que não calhava para adega.

O padre Cosme de Tagilde, robusto, de meia-idade, autor da escala do céu pelas escarpas do gólgota e da via seráfica para o reino dos querubins, era pregador de sentimento.

<< Página Anterior

pág. 173 (Capítulo 19)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Brazileira de Prazins
Páginas: 202
Página atual: 173

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
INTRODUÇÃO 1
CAPÍTULO I 9
CAPÍTULO II 15
CAPÍTULO III 21
CAPÍTULO IV 32
CAPÍTULO V 46
CAPÍTULO VI 52
CAPÍTULO VII 59
CAPÍTULO VIII 67
CAPÍTULO IX 74
CAPÍTULO X 84
CAPÍTULO XI 101
CAPÍTULO XII 113
CAPÍTULO XIII 121
CAPÍTULO XIV 130
CAPÍTULO XV 141
CAPÍTULO XVI 157
CAPÍTULO XVII 166
CAPÍTULO XVIII 173
CAPÍTULO XIX 182
CAPÍTULO XX 190
CONCLUSÃO 196
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site