Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 6: CAPÍTULO V
LEIS DA VARIAÇÃO

Página 144
Os elementos sexuais femininos e masculinos parecem afectados antes que tenha lugar a união que formará um novo ser. No caso das plantas «anormais», o rebento, que na sua condição mais incipiente não parece diferir essencialmente de um óvulo, é o único afectado. Mas ignoramos completamente a razão de esta ou aquela parte variarem mais ou menos com a perturbação do sistema reprodutivo. Não obstante, podemos entrever aqui e ali uma réstia de luz, com a certeza de que tem de haver uma causa para cada desvio de estrutura, por muito ligeiro que seja.

É extremamente duvidoso a que ponto a diferença de clima, alimentação, etc., pode produzir um efeito directo sobre qualquer ser. Parece-me que este efeito é minúsculo no caso dos animais, mas talvez muito maior no caso das plantas. Podemos, pelo menos, concluir seguramente que tais influências não podem ter produzido as muitas coadaptações de estrutura, impressionantes e complexas, entre um ser orgânico e outro, I que observamos em todo o lado na natureza. Pode-se atribuir alguma influência, pouca, ao clima, alimentação, etc.: assim, E. Forbes afirma confiantemente que os moluscos no seu limite meridional e quando vivem em águas rasas, têm uma coloração mais vívida do que os da mesma espécie que vivem mais a norte ou a maior profundidade. Gould acredita que as aves da mesma espécie têm uma coloração mais vívida numa atmosfera límpida do que quando vivem em ilhas ou perto do litoral. Assim, no que diz respeito aos insectos, Wollaston está convencido de que a proximidade do mar afecta a sua coloração. Moquin-Tandon apresenta uma lista de plantas que, quando crescem perto do litoral, têm as folhas carnudas até certo ponto, embora em nenhum outro lugar. Poder-se-ia apresentar muitos outros casos.

<< Página Anterior

pág. 144 (Capítulo 6)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Origem das Espécies
Páginas: 524
Página atual: 144

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
INTRODUÇÃO 1
CAPÍTULO I
VARIAÇÃO SOB DOMESTICAÇÃO
7
CAPÍTULO II
VARIAÇÃO EM ESTADO DE NATUREZA
49
CAPÍTULO III
LUTA PELA EXISTÊNCIA
67
CAPÍTULO IV
SELECÇÃO NATURAL
88
CAPÍTULO V
LEIS DA VARIAÇÃO
143
CAPÍTULO VI
DIFICULDADES ENFRENTADAS PELA TEORIA
184
CAPÍTULO VII
INSTINTO
223
CAPÍTULO VIII HIBRIDISMO 263
CAPÍTULO IX
SOBRE A INPERFEIÇÃO DO REGISTO GEOLÓGICO
302
CAPÍTULO X
SOBRE A SUCESSÃO GEOLÓGICA DOS SERES ORGÂNICOS
336
CAPÍTULO XI
DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA
372
CAPÍTULO XII
DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA (continuação)
411
CAPÍTULO XIII
AFINIDADES MÚTUAS DOS SERES ORGÂNICOS. MORFOLOGIA. EMBRIOLOGIA. ÓRGÂOS RUDIMENTARES.
441
CAPÍTULO XIV
RECAPITULAÇÃO E CONCLUSÃO
491
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site