Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 9: CAPÍTULO VIII HIBRIDISMO

Página 264

As espécies puras têm evidentemente os seus órgãos de reprodução numa condição perfeita, porém, quando entrecruzam, produzem poucos ou nenhuns descendentes. Os híbridos, por outro lado, têm órgãos reprodutivos funcionalmente impotentes, como se pode ver claramente no estado do elemento masculino, tanto nas plantas como nos animais; embora os próprios órgãos sejam estruturalmente perfeitos, tanto quanto nos revela o microscópio. No primeiro caso, os dois elementos sexuais que vão formar o embrião são perfeitos; no segundo caso, ou não estão sequer desenvolvidos ou estão imperfeitamente desenvolvidos. Esta distinção é importante quando se tem de considerar a causa da esterilidade, que é comum aos dois casos. A superficialidade com que se tem tratado a distinção deve-se, provavelmente, ao facto de se encarar a esterilidade em ambos os casos como uma dotação especial, que ultrapassa o âmbito dos nossos poderes de raciocínio.

A fertilidade das- variedades, ou seja, das formas que se sabe ou acredita terem descendido de antecessoras comuns, quando entrecruzadas, e analogamente a fertilidade da sua prole mista, tem, segundo a minha teoria, uma importância igual à da esterilidade das espécies; pois parece fazer uma distinção ampla e clara entre variedades e espécies.

Primeiro, a esterilidade das espécies quando cruzadas e da sua prole híbrida. É impossível estudar as diversas monografias e obras daqueles dois escrupulosos e admiráveis observadores, Kölreuter e Gärtner, que praticamente dedicaram as suas vidas a este tema, sem se ficar profundamente impressionado com a elevada generalidade de algum grau de esterilidade. Kölreuter torna a regra universal; mas então corta o nó, pois em dez casos em que encontrou duas formas, consideradas espécies distintas pela maioria dos autores, completamente férteis entre si, classifica-as sem hesitar como variedades.

<< Página Anterior

pág. 264 (Capítulo 9)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Origem das Espécies
Páginas: 524
Página atual: 264

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
INTRODUÇÃO 1
CAPÍTULO I
VARIAÇÃO SOB DOMESTICAÇÃO
7
CAPÍTULO II
VARIAÇÃO EM ESTADO DE NATUREZA
49
CAPÍTULO III
LUTA PELA EXISTÊNCIA
67
CAPÍTULO IV
SELECÇÃO NATURAL
88
CAPÍTULO V
LEIS DA VARIAÇÃO
143
CAPÍTULO VI
DIFICULDADES ENFRENTADAS PELA TEORIA
184
CAPÍTULO VII
INSTINTO
223
CAPÍTULO VIII HIBRIDISMO 263
CAPÍTULO IX
SOBRE A INPERFEIÇÃO DO REGISTO GEOLÓGICO
302
CAPÍTULO X
SOBRE A SUCESSÃO GEOLÓGICA DOS SERES ORGÂNICOS
336
CAPÍTULO XI
DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA
372
CAPÍTULO XII
DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA (continuação)
411
CAPÍTULO XIII
AFINIDADES MÚTUAS DOS SERES ORGÂNICOS. MORFOLOGIA. EMBRIOLOGIA. ÓRGÂOS RUDIMENTARES.
441
CAPÍTULO XIV
RECAPITULAÇÃO E CONCLUSÃO
491
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site