Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 10: CAPÍTULO IX
SOBRE A INPERFEIÇÃO DO REGISTO GEOLÓGICO

Página 303
Mas na medida exacta em que este processo de extermínio actuou numa escala enorme, também o número de variedades intermédias, que anteriormente existiram na Terra, teria de ser verdadeiramente enorme. Por que razão, portanto, não está cada formação geológica e cada estrato cheio de tais elos intermédios? A geologia seguramente não revela semelhante cadeia orgânica de subtis gradações; e isto talvez seja a objecção mais grave e mais óbvia que se pode levantar à minha teoria. A explicação reside, segundo creio, na extrema imperfeição do registo geológico.

Em primeiro lugar, deve-se ter sempre em mente que género de formas intermédias têm, segundo a minha teoria, de ter anteriormente existido. Constatei a dificuldade de, ao observar quaisquer duas espécies, evitar imaginar formas directamente intermédias a estas. Mas isto é uma perspectiva inteiramente falsa; devemos sempre procurar formas intermédias a cada espécie e a um progenitor comum mas desconhecido; e o progenitor terá diferido em alguns aspectos de todos os seus descendentes modificados. Para dar uma ilustração simples: o pombo-de-leque e o pombo-de-papo descendem ambos do pombo comum; se tivéssemos todas as variedades intermédias que existiram, teríamos uma série extremamente próxima entre ambos e o pombo comum; mas não deveríamos ter quaisquer variedades directamente intermédias ao pombo-de-leque e ao pombo-de-papo; nenhuma, por exemplo, combinando uma cauda um tanto expandida com um papo um tanto aumentado, os aspectos característicos destas duas linhagens. Estas duas linhagens, além disso, modificaram-se a tal ponto que se não tivéssemos quaisquer indícios históricos ou indirectos a respeito da sua origem, não teria sido possível determinar, a partir de uma mera comparação da sua estrutura com a do pombo comum, se descendem desta espécie ou de outra espécie próxima, tal como a C.

<< Página Anterior

pág. 303 (Capítulo 10)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Origem das Espécies
Páginas: 524
Página atual: 303

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
INTRODUÇÃO 1
CAPÍTULO I
VARIAÇÃO SOB DOMESTICAÇÃO
7
CAPÍTULO II
VARIAÇÃO EM ESTADO DE NATUREZA
49
CAPÍTULO III
LUTA PELA EXISTÊNCIA
67
CAPÍTULO IV
SELECÇÃO NATURAL
88
CAPÍTULO V
LEIS DA VARIAÇÃO
143
CAPÍTULO VI
DIFICULDADES ENFRENTADAS PELA TEORIA
184
CAPÍTULO VII
INSTINTO
223
CAPÍTULO VIII HIBRIDISMO 263
CAPÍTULO IX
SOBRE A INPERFEIÇÃO DO REGISTO GEOLÓGICO
302
CAPÍTULO X
SOBRE A SUCESSÃO GEOLÓGICA DOS SERES ORGÂNICOS
336
CAPÍTULO XI
DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA
372
CAPÍTULO XII
DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA (continuação)
411
CAPÍTULO XIII
AFINIDADES MÚTUAS DOS SERES ORGÂNICOS. MORFOLOGIA. EMBRIOLOGIA. ÓRGÂOS RUDIMENTARES.
441
CAPÍTULO XIV
RECAPITULAÇÃO E CONCLUSÃO
491
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site