Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 10: CAPÍTULO IX
SOBRE A INPERFEIÇÃO DO REGISTO GEOLÓGICO

Página 335
Vemos isto da maneira mais evidente pelo facto de todos os paleontólogos mais ilustres, nomeadamente Cuvier, Owen, Agassiz, Barrande, Falconer, E. Forbes, etc., e todos os nossos maiores geólogos, como Lyell, Murchison, Sedgwick, etc., terem sustentado unânime e não raro veementemente a imutabilidade das espécies. Mas tenho razão para crer que uma grande autoridade, Sir Charles Lyell, a partir de reflexão suplementar, alimenta sérias dúvidas acerca deste assunto. Sinto como é impetuoso discordar destas grandes autoridades, a quem, juntamente com outros, devemos todo o nosso conhecimento. Os que consideram que o registo geológico natural é de alguma maneira perfeito, e que não dão muito peso a factos e argumentos de outros tipos apresentados neste volume, sem dúvida rejeitarão imediatamente a minha teoria. Pela minha parte, seguindo a metáfora de Lyell, olho para o registo geológico natural como uma história do mundo imperfeitamente mantida e escrita num dialecto em mudança; desta história temos apenas o último volume, respeitante a apenas dois ou três países. Deste volume, só aqui e ali se preservou um breve capítulo; e de cada página, só aqui e ali algumas linhas. Cada palavra da linguagem em lenta mudança, em que supostamente está escrita a história, sendo mais ou menos diferente na sucessão interrompida de capítulos, pode representar as formas de vida aparentemente abruptamente modificadas, sepultadas nas nossas formações consecutivas mas amplamente separadas. Segundo esta perspectiva, as dificuldades atrás discutidas reduzem-se significativamente ou até desaparecem.

<< Página Anterior

pág. 335 (Capítulo 10)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Origem das Espécies
Páginas: 524
Página atual: 335

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
INTRODUÇÃO 1
CAPÍTULO I
VARIAÇÃO SOB DOMESTICAÇÃO
7
CAPÍTULO II
VARIAÇÃO EM ESTADO DE NATUREZA
49
CAPÍTULO III
LUTA PELA EXISTÊNCIA
67
CAPÍTULO IV
SELECÇÃO NATURAL
88
CAPÍTULO V
LEIS DA VARIAÇÃO
143
CAPÍTULO VI
DIFICULDADES ENFRENTADAS PELA TEORIA
184
CAPÍTULO VII
INSTINTO
223
CAPÍTULO VIII HIBRIDISMO 263
CAPÍTULO IX
SOBRE A INPERFEIÇÃO DO REGISTO GEOLÓGICO
302
CAPÍTULO X
SOBRE A SUCESSÃO GEOLÓGICA DOS SERES ORGÂNICOS
336
CAPÍTULO XI
DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA
372
CAPÍTULO XII
DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA (continuação)
411
CAPÍTULO XIII
AFINIDADES MÚTUAS DOS SERES ORGÂNICOS. MORFOLOGIA. EMBRIOLOGIA. ÓRGÂOS RUDIMENTARES.
441
CAPÍTULO XIV
RECAPITULAÇÃO E CONCLUSÃO
491
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site